sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Gás nobre e último elemento da vida são detectados no espaço

A primeira detecção de um gás nobre no espaço foi registrada na nebulosa do Caranguejo,
uma supernova que explodiu no ano 1054.[Imagem: NASA/ESA/Alison Loll/Jeff Hester]
Os astrônomos só haviam observado a origem dos outros cinco elementos de sustentação da vida (hidrogênio, carbono, nitrogênio, oxigênio e enxofre). Agora, eles podem adicionar o fósforo para essa lista, reforçando o ditado de que somos realmente poeira de estrelas.
Leia matéria completa
SITE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Gás nobre e último elemento da vida são detectados no espaço. 13/12/2013. Online. Disponível em www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=gas-nobre-ultimo-elemento-vida-detectados-espaco. Capturado em 13/12/2013. 


terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Átomos cooperam à distância compartilhando luz

Os átomos artificiais, postos ao longo de um guia de ondas unidimensional,
comunicam-se e se sincronizam por meio da troca de fótons.[Imagem: Barry Sanders]
Dois átomos à distância podem se identificar e passar a se comportar coletivamente, trocando informações por meio de fótons (luz). Essa possibilidade quase mágica era teorizada há décadas pelos físicos que trabalham com as equações da mecânica quântica, mas ninguém havia documentado o fenômeno diretamente.
SITE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Átomos cooperam à distância compartilhando luz. 02/12/2013. Online. Disponível em www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=atomos-cooperam-distancia-compartilhando-luz. Capturado em 03/12/2013. 


quarta-feira, 27 de novembro de 2013

A MAR



Amar é ser cativo, dizem uns.

Amar é render-se, dizem outros.

Sentindo dentro de si uma vibração que se expande e já não cabe, ela procura uma palavra que expresse a poesia que pulsa dentro de si. Busca definir o indefinível à sua maneira, a partir de sua própria experiência.

Em sua bagagem das vidas vividas e não vividas, encontra as pilhas de papéis que outrora a asfixiaram em seu estado febril: regras, teorias, modelos, mandamentos, leis... Em seu poema, talvez possam ser sintetizados em apenas uma palavra: crosta.

Pensa em respeito... Como tantas outras, é também corruptível ao entrar na lista de exigências. Traz uma imponência.

Muitas dançam ao seu redor, insinuam-se para serem escolhidas. Intui que precisa estar leve para protagonizar o evento que se acerca - tenta descarta-las.

Estranhamente, associa amar ao mar. Investiga se é apenas pela rima. Em seu estudo de sons, viu que cada um provoca um padrão específico. Os sons se despregam das letras, formando imagens... Para ela, a imagem de nadar em alto mar persiste como um desafio, a prova final.

Pela tela mágica, continua a observar o mar, a frequência das ondas. Seu impulso de saltar em águas profundas retido pelo pesadelo de afundar.

Precisa vencer esse medo do desconhecido!

Os pensamentos pesam.





terça-feira, 5 de novembro de 2013

Fóton e elétron unem matéria e energia dançando valsa

Quando fótons e elétrons ficam inteiramente conectados,
o que se vê é um estado que é periódico tanto no tempo quanto no espaço.
[Imagem: Gedik Group/MIT]
Um estado até agora desconhecido de acoplamento entre fótons e elétrons acaba de ser documentado na superfície de um cristal.

Fótons são os elementos básicos da luz, enquanto os elétrons são os representantes da matéria.

O estado de acoplamento matéria-energia foi observado na superfície de um isolante topológico, um tipo de cristal que transmite eletricidade apenas na sua superfície, mas não em seu interior.

União entre matéria e luz

...matéria e luz se entrelaçaram, dançando uma valsa que sela uma união entre a energia pura da luz e a matéria sólida.

Ao ficarem inteiramente "conectados" - tudo o que acontece ao fóton, imediatamente afeta o elétron, e vice-versa - o que se vê é um estado que é periódico tanto no tempo quanto no espaço, uma "dança" muito precisa.

E os pares dançantes na superfície do cristal nem mesmo são iguais.

Leia artigo completo

SITE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Fóton e elétron unem matéria e energia dançando valsa. 04/11/2013. Online. Disponível em www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=foton-eletron-unem-materia-energia-dancando-valsa. Capturado em 05/11/2013. 

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Exoplaneta de lava derrete teorias astronômicas

O exoplaneta Kepler-78b tem uma densidade semelhante à da Terra,
o que sugere uma composição também semelhante, rica em ferro.
[Imagem: David A. Aguilar (CfA)]
Nada como uma boa observação para ajudar a melhorar as teorias.

O exoplaneta Kepler-78b é um planeta que, pelas teorias atuais, não deveria existir.

Este escaldante mundo de lava orbita sua estrela a cada oito horas e meia, a uma distância de menos de um 1,6 milhão de quilômetros - uma das órbitas mais apertadas que se conhece.

De acordo com as teorias atuais de formação dos planetas, ele não poderia ter-se formado tão perto da sua estrela, nem poderia ter-se formado mais longe e mudado para lá porque simplesmente teria se chocado com a estrela.

Mas o Kepler-78b é interessante não apenas por desafiar as teorias, mas também por ser o primeiro exoplaneta descoberto que tem o tamanho da Terra e uma densidade semelhante à da Terra.

Leia matéria completa! 
SITE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Exoplaneta de lava derrete teorias astronômicas. 31/10/2013. Online. Disponível em www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=kepler-78b-exoplaneta-superquente-derrete-teorias. Capturado em 01/11/2013. 


terça-feira, 29 de outubro de 2013

VIOLETA ATÔMICO - A Consciência nos Signos Fixos


Cabe aqui uma breve colocação sobre este estudo que, às primeiras vistas, pode parecer complexo, transformando planetas, luminares e signos em cores e vice-versa. Ele tem por base a sabedoria dos povos primitivos  entre os quais a energia pura pulsava mais límpida e clara em linguagem empírica.

A Cosmologia Energética, tal qual se apresenta hoje, é uma tentativa de síntese com o conhecimento que enfatiza o aspecto mental. Por isso, procura-se utilizar os elementos da Astrologia, da Astronomia, para ilustrar a experiência humana com o divino, nem sempre linear e progressiva como requerem certos conceitos sobre a lógica, mas não por isso menos legítima.
Os Drivers e os Vácuos que formam
o círculo externo de cores. 
Importante citar novamente alguns pilares: o ser humano é formado por 12 energias, divididas em 4 espíritos. Cada espírito é composto por três energias de um mesmo elemento (fogo, terra, água ou ar): a ativa (+), a passiva (-) e a atômica.     

Convencionalmente, na Astrologia, o signo da pessoa é identificado pela energia atômica que entra no momento em que nasce. Trata-se da energia que estava sendo iluminada pelo sol naquele momento, que se junta à ativa e à passiva do mesmo elemento, formando um espírito.

O Mapa Cosmológico revela, além desta que se localiza no Driver IV, mais três energias atômicas na formação do indivíduo, acompanhadas de seus respectivos irmãos de elemento, que entram na ordem identificada nos desenhos abaixo com números romanos — na concepção no Driver I, aos 3 meses no Driver II e aos 6 meses de gestação no Driver III.                       

Aproveitando o sol sobre o signo de Escorpião, o Violeta na Cosmologia Energética, no período de 24 de outubro 22 de novembro, vamos descrever como se comporta esta energia como atômica em cada uma das posições.

Há uma extensa gama de interpretações possíveis, mas vamos aqui enfatizar a posição das energias atômicas com relação à memória ancestral, ou inconsciente coletivo, simbolizados pelos vácuos (círculo externo com as 12 cores). Os vácuos não participam ativamente dos movimentos energéticos, apenas funcionam como base, fornecendo referências, harmonizando-se ou não, facilitando ou dificultando a expressão.

O Violeta é uma energia do elemento água, a mais sutil e difícil de compreender e viver. Sendo a décima-segunda, a última cor física, o final e o recomeço, aceita e reproduz o carma de todas as outras energias em si. Na condição de dissolvente, tem a capacidade de transformar em profundidade, regenerar. Para a Cosmologia, seu regente é a Lua, que comanda os movimentos de trasladação, transmutação e transformação, focalizando seu caráter cíclico, de grande intensidade emocional. Complementando a análise, a Astrologia considera seus regentes Marte e Plutão, enfatizando o ímpeto e o poder de lutar pelos objetivos nos quais acredita. 

Escorpianos (Violetas), trazem o Violeta como guia no Driver IV, no chakra coronário. Estando no inconsciente íntimo, embora não tenham certeza de sua existência real, sentem os efeitos e, por serem de Fé, têm um contato maior com seu lado interno. Disposto entre os vácuos rosa e verde, seu prazer e sua nutrição requerem uma experiência que satisfaça níveis profundos de ligação com a alma. A dor, o sofrimento, a depressão lhes são familiares e, ao mesmo tempo, dispõem da força interior para superá-los, gerada pela intensa busca de compreensão do que se passa no inconsciente. Tudo o que captam procuram transformar em algo concreto, palpável. Enfrentam, ainda que possa ser doloroso emocionalmente, pois faz parte de sua natureza penetrar no invisível, desvendar mistérios.

Leoninos (Pretos), têm o Violeta no Driver I, no chakra umbilical, com o qual se movem com fé e altruísmo. Estando no quadrante do consciente íntimo, somente eles sabem a respeito dos aspectos relacionados a esta posição. Localizado entre os vácuos vermelho e azul, se acreditam na causa, empenham-se com talento, inteligência e grande capacidade de organização para superar obstáculos e conquistar o reconhecimento. Detêm uma força extremista criativa, restauradora, transformadora que, se prevalecem o apego aos valores materiais, ou a rigidez nos objetivos, pode manifestar-se sob a forma de manipulação, vitimização, ou somatização.

Nos Taurinos (Verdes), o Violeta está no Driver II, no chakra do terceiro olho. Este é o quadrante do inconsciente público, aspectos que os outros percebem e que determinam sua auto imagem. Estando entre os vácuos amarelo e prata, eles têm uma compreensão profunda, detalhada e sentimental dos fatos, que lhes confere a visão transformadora, sensível, impressionável com tudo o que agrada seus sentidos tão aguçados e intensos. Por outro lado, quando se prendem à análise do passado, podem comprometer o fluir da energia trazendo a tristeza e a amargura para seu campo, dificultando esquecer as mágoas.

Aquarianos (Rosas), trazem o Violeta no Driver III, no chakra cardíaco, quadrante do consciente público, coisas que tanto eles quanto os demais sabem que existem. O Violeta nesta posição, faz com que externamente sejam fraternais, porém, quanto aos sentimentos íntimos, prefiram discrição e reserva. Não confiam facilmente nas pessoas. Costumam guardar para si os sentimentos os quais, antes de transformar, fazem com que sofram bastante, pois atingem em profundidade. Possuem grande resistência ao sofrimento e sabem avaliar no que se baseia a insegurança. Mostram-se mais independentes e auto suficientes, pois têm consciência de que podem fazer a mudança em qualquer parte da vida. Por isso, não permitem que entrem nesse campo, tampouco costumam pedir ajuda. Quando entregam seus sentimentos, são carinhosos, afetuosos, fiéis na relação enquanto o amor estiver presente e houver confiança.

Os Signos Fixos marcam o fim de cada estação e costumam manter idéias, sentimentos, ritmos com determinação, pois tendem a estabilizar o que foi iniciado pelos Cardinais. Aprimoram suas ações a fim de obter o melhor resultado em tudo o que fazem com segurança e persistência. Devido a esses atributos, não raro, são um tanto inflexíveis. A Astrologia divide os 12 signos em três grupos de características similares, em concordância com os ciclos da natureza: Cardinais, Fixos e Mutáveis.

A Cosmologia Energética amplia apontando as energias atômicas comuns em cada grupo, determinando as tendências fortes descritas neste e nos posts anteriores AMARELO ATÔMICO - o Raciocínio nos Signos Mutáveis e AZUL ATÔMICO - o Conhecimento nos Signos Cardinais. :
— Os Mutáveis Virgem, Peixes, Sagitário e Gêmeos — Amarelo, Prata, Vermelho e Branco na posição atômica;
— Os Cardinais Libra, Câncer, Áries e Capricórnio — Azul, Celeste, Dourado e Marrom na posição atômica;
— Os Fixos Escorpião, Leão, Touro e Aquário — Violeta, Preto, Verde e Rosa na posição atômica.


sábado, 5 de outubro de 2013

Buraco negro dentro de chip confirma teorias de Einstein

Além do horizonte de eventos - a fronteira além da qual nada escapa - os buracos negros possuem uma região chamada esfera fotônica, uma região onde o espaço-tempo é fortemente curvado. [Imagem: Sheng et al./Nature Photonics]
Lente Gravitacional

Segundo a Teoria da Relatividade de Einstein, corpos de grande massa fazem a luz se curvar, um efeito chamado de lente gravitacional.
Isso acontece porque a enorme gravidade deforma o espaço-tempo, fazendo com que o caminho mais curto para a luz ao redor de uma estrela maciça, por exemplo, seja uma curva.
Não é possível criar um buraco negro em miniatura para demonstrar coisas desse tipo em sala de aula, mas é possível deixar a gravidade de lado e reproduzir o fenômeno da lente gravitacional usando apenas luz.
Foi o que demonstraram C. Sheng e Hui Liu, da Universidade de Nanjing, na China, que são especialistas em metamateriais.
Leia matéria completa.: Uma versão fotônica de um buraco negro foi criada no interior de um chip de plástico.
SITE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Buraco negro dentro de chip confirma teorias de Einstein. 04/10/2013. Online. Disponível em www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=buraco-negro-dentro-chip-confirma-teorias-einstein. Capturado em 05/10/2013. 
Em vez de se propagar pelo espaço, no interior do chip a luz viaja
através de materiais sólidos transparentes com diferentes índices de refração.
[Imagem: Sheng et al./Nature Photonics]

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Descoberto elo perdido na evolução dos pulsares

Os pulsares giram a grande velocidade, emitindo pulsos de radiação eletromagnética centenas de vezes por segundo, como se se tratasse de um farol. [Imagem: ESA]
Os pulsares são estrelas de nêutrons magnetizadas, núcleos mortos de estrelas massivas que explodiram como supernova quando esgotaram o seu combustível - dependendo do assunto e da abordagem eles também são chamados de buracos negros.

Os pulsares giram a grande velocidade, emitindo pulsos de radiação eletromagnética centenas de vezes por segundo, como se se tratasse de um farol. A análise destes pulsos revela que o seu período de rotação pode ser de apenas alguns milissegundos - daí o nome "pulsar milissegundo".

Os pulsares são classificados em função da forma como geram suas emissões. Pulsares de rádio obtêm sua energia da rotação do seu campo magnético, enquanto os pulsares de raios X se alimentam de um disco de acreção formado pela matéria que arrancam de uma estrela companheira.

As teorias atuais sugerem que as estrelas de nêutrons aumentam sua velocidade de rotação à medida que acumulam a massa procedente da estrela companheira. Quando o material do disco de acreção cai em direção à estrela, ele aquece e emite raios X.

Depois de vários milhões de anos, a velocidade de acreção diminui e os pulsares acendem-se de novo, mas desta vez emitindo ondas de rádio.

Os astrônomos acreditavam que existisse uma fase intermediária na qual as estrelas de nêutrons oscilam entre estes dois estados, mas até agora não se tinha ainda encontrado provas diretas e conclusivas que suportassem esta teoria.

Leia matéria completa.
SITE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Descoberto elo perdido na evolução dos pulsares. 30/09/2013. Online. Disponível em www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=elo-perdido-evolucao-pulsares. Capturado em 01/10/2013.


quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O conhecimento nos Signos Cardinais - O AZUL ATÔMICO -


Na Cosmologia Energética, as energias atômicas são consideradas determinantes, pois, atraídas pelo clima que envolve a gestação do ser, vêm selar a relação entre o homem e o universo.

Relembrando uma das bases deste estudo, o ser humano é formado por 12 energias, divididas em 4 espíritos. Cada espírito é composto por três energias, a ativa (+), a passiva (-) e a atômica (representada por um pequeno triângulo).

Convencionalmente, o signo da pessoa é identificado pela energia atômica que entra no momento em que nasce. Trata-se da energia que estava sendo iluminada pelo sol naquele momento, que se junta à ativa e à passiva do mesmo elemento, formando um espírito. 

Prosseguindo com a descrição dessas energias em cada um dos quatro drivers do cérebro (identificados nas figuras abaixo com números romanos I, II, III e IV) em relação à memória ancestral simbolizada pelos vácuos (círculo externo com as 12 cores), este texto trata do CONHECIMENTO, representado pelo AZUL,  fator que destaca fortemente o grupo dos cardinais, que o trazem como ATÔMICO: Câncer, que traz o Azul atômico no driver I; Áries, Azul atômico no driver II; Capricórnio, Azul atômico no driver III; e Libra, Azul atômico no driver IV.


Estes signos marcam o início de cada estação e têm uma predisposição ativa, voltada ao externo, à solução de problemas. Iniciam as ações, impulsionam, são os mais trabalhadores.

O Azul, cor mental do ar, de vibração sutil e natureza investigativa, é o comandante que surge opondo-se ao tempo, como um juiz, questionando anarquicamente, abrangendo todo o espaço onde o ar se move. É o dono do fichário da cabeça - ao mesmo tempo a fonte do conhecimento e a relação que se desenvolve com ele, expressa através de atitudes, posturas. É o mais difícil de ser satisfeito, compreendido, manipulado.

Cancerianos (Celestes), têm o Azul no Driver I, no chakra umbilical.
Estando no quadrante do consciente íntimo, somente eles sabem a respeito dos aspectos relacionados a esta posição.
O comportamento doce e maternal 
caminha paralelo à frieza da razão, à lógica frente àquilo que registraram e codificaram como verdades.
O Azul no próprio vácuo potencializa o racional com o qual caminham com segurança, pois ele sustenta  as estratégias em seus movimentos inconscientes, ajudando-os a adaptar-se e sairem ilesos de situações difíceis. Estando o Azul, no sentido anti-horário, ligado ao vácuo vermelho, os cancerianos têm acessos de paixão em movimento retrógrado. Embora consigam controla-los através da capacidade mental, não estão imunes à ação do dissolvente vermelho, capaz de derreter parte do gelo e muitos conceitos.

Arianos (Dourados), trazem o Azul no Driver II, no chakra do terceiro olho. Este é o quadrante do inconsciente público, aspectos que os outros percebem e que determinam sua autoimagem. Estando entre dois vácuos primos e anárquicos, amarelo e prata, são frequentemente chamados à liderança, pois demonstram uma visão ampla e profunda, além da capacidade executiva. No entanto, o Azul se contrapõe ao tempo, instrumento desses dois companheiros de vácuo. Faz parar o tempo para julgar a situação, ver o que ainda falta. São Inteligentes, questionadores, procuram estar sempre bem informados e não aceitam idéias sem antes entender o motivo, o sentido. Dificilmente mudam de opinião e não aceitam respostas negativas. 

Capricornianos (Marrons), trazem o Azul no Driver III, no chakra
cardíaco, quadrante do consciente público, coisas que tanto eles quanto os 
demais sabem que existem. O Azul nesta posição, com
o reforço do primo preto no vácuo em sentido 
horário, o sentimento é objeto próprio a ser mantido sob controle. Com o vácuo violeta no sentido anti-horário, os sofrimentos (assuntos de sua conta) podem ficar por longo tempo inconfessos sob a ação lenta do dissolvente de água. Criam, dessa forma, uma máscara bem estruturada para não se exporem, assim podendo levar adiante os seus planos. São reservados em seus relacionamentos, dentro dos quais valorizam os aspectos intelectual e material. Essa experiência também os leva a uma expansão de consciência. 


Librianos (Azuis), trazem o Azul como guia no
                               

Driver IV, no chakra coronário. Estando no inconsciente íntimo, eles sentem os efeitos, porém não têm certeza de sua existência real. Disposto entre os vácuos rosa e verde (círculo externo de cores-fixo), seu prazer e sua nutrição estão atrelados a como interpretam racionalmente essas questões. São muito vaidosos e seletivos, amáveis, polidos, diplomáticos. Sabem mover-se em diferentes meios, porém, mantêm certo distanciamento para não perder o controle. Não costumam dar um passo antes de ter segurança do êxito. Preocupam-se com a própria imagem e com os relacionamentos, nos quais buscam brilho, afeto, justiça e perfeição. "Mão de ferro em luva de pelica" é uma expressão que os define bem.

Além do Azul, os Signos Cardinais trazem como atômicos Celeste, Dourado e Marrom, energias que entram, juntamente com outras, durante o processo de gestação: na concepção, aos 3 e aos 6 meses. Características comuns entre eles, bem como peculiaridades individuais podem ser reveladas no Mapa Cosmológico.





sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Vazamento de energia inter-universos pode revelar mundos paralelos

Experimentos recentes não confirmam e nem descartam a teoria dos multiversos.[Imagem: Peiris et al.]






Ninguém menos do que o Nobel de Física Frank Wilczek quer testar a existência de múltiplos universos, a famosa teoria dos multiversos.
Segundo Wilczek, tudo se resume ao fato de que a energia não é uma substância na mecânica quântica, que seria compartilhada entre os diversos universos, mas um "operador", algo que muda um estado físico para outro estado físico.
Isso significa que não se deve simplesmente somar as energias dos universos

Outra pergunta que nasce naturalmente
dessas teorias é:
 
existirão vidas nos outros universos?
[Imagem: MIT]
adicionando uma à outra, como se fossem números, mas tirando uma média ponderada, que irá sempre conservar a energia total.












Leia matéria completa!:
SITE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Vazamento de energia inter-universos pode revelar mundos paralelos. 04/09/2013. Online. Disponível em www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=mundos-paralelos. Capturado em 06/09/2013. 


quarta-feira, 4 de setembro de 2013

AMARELO ATÔMICO - O raciocínio nos Signos Mutáveis

Mercúrio-foto NASA

De acordo com a Cosmologia Energética, o ser humano é formado, durante a gestação, através da entrada de energias em grupos de três na concepção, aos 3 e aos 6 meses e no nascimento.

Cada grupo de três energias de um mesmo elemento formam um espírito. A energia correspondente ao signo iluminado pelo sol na data da entrada é a atômica, que se junta à ativa (+)  e à passiva (-).

As energias atômicas no Mapa Cosmológico são as mais determinantes dentro da perspectiva do homem como um ser cósmico.

O Amarelo aparece como atômico nos signos mutáveis: Virgem, Peixes, Gêmeos e Sagitário. Cada um traz o Amarelo atômico em um dos drivers  identificados com números romanos I, II, III e IV, como na ilustração abaixo.


O Amarelo é anárquico, o comandante, o mental dentre as energias do elemento terra. Também é dissolvente, resolve os problemas gerados entre a dicotomia ego-alter, matéria-espírito, Preto e Branco. É o que busca a compreensão dos fatos e cria a possibilidade de mudanças.

É manipulador do ar, junto com o Celeste. Isto significa que conseguem modificar a qualidade do ar, podendo levar a estados desde a extrema lucidez até a demência: o Amarelo através do pensamento e da transformação da imagem presente em verbo e o Celeste com o poder criativo.

De forma geral, os nascidos entre 23 de agosto e 22 de Setembro são Virginianos (Amarelos) e trazem o Amarelo como guia, em seu chakra coronário.
Com o Amarelo atômico no driver IV, quadrante do inconsciente íntimo (aspectos dos quais sente os efeitos, mas não tem certeza se existem), o virginiano sempre questiona por onde vai e, às vezes, perde-se no caminho. Demora a encontrar um lugar para ser. A princípio receptivo, tenta captar tudo, procedendo em seguida meticulosa análise e avaliação. Perfeccionista, não expressa suas opiniões antes de dominar o assunto. Ocupando os vácuos Rosa e Verde (círculo externo), busca o prazer que nutre e, embora enfatize o presente, tende a comprometer-se com o futuro e a matéria (Preto), pois pensa no fruto ao colocar a semente.


Geminianos (Brancos), nascidos, via de regra, entre 21 de maio e 21 de junho, trazem o Amarelo no Driver I, quadrante do consciente íntimo (aspectos que somente eles sabem que existem), localizado no chakra umbilical. Raciocinam de acordo com seus instintos, chegando a desenvolver uma moral própria.

Neste Driver, o Amarelo se encontra entre os vácuos Vermelho e Azul. O Vermelho confere ao geminiano uma natureza forte porém instável, agitada, que procura incessantemente um caminho pelo qual se apaixone. Não titubeia para mudar, trocar as coisas de lugar, seguir caminho. Pelo Azul, sempre falta algo para ser perfeito, então ele prossegue na busca. Conta com certa proteção divina, que alivia seus prejuízos na experimentação.


Piscianos (Pratas), de 19 de fevereiro a 20 de março, trazem o Amarelo no Driver II, quadrante do inconsciente público (aspectos que os outros percebem incorporam-se à percepção do indivíduo), localizado no chakra frontal.
Como o Amarelo ocupa o próprio vácuo, o Pisciano tem uma compreensão mais pura da realidade, diferente, em grande escala, dos demais.
Esta visão se apresenta como um caleidoscópio: diversas imagens ao mesmo tempo, formando mosaicos complexos, móveis e voláteis, que o fazem questionar se realmente viu, ou se foi um delírio. Aqui se potencializam as características do Amarelo: a força do verbo, o raciocínio analítico, a genialidade, propiciando o domínio das palavras e de idiomas. Ocupando também o vácuo Prata, reforça as tendências anárquicas, revolucionárias, idealistas. Agrega misticismo, espiritualidade, habilidades de estrategista que se evidenciam quando se dedica a uma causa maior, digna de sua profundidade e amplitude. Caso não a encontre, pode mostrar-se deslocado e confuso neste planeta.


Nos Sagitarianos (Vermelhos), de 23 de novembro a 22 de dezembro,
o Amarelo localiza-se no Driver III, quadrante do consciente público (aspectos que tanto a pessoa quanto os outros sabem que existem) e no chakra cardíaco.
Seus questionamentos giram em torno do amor: será que ama ou não?  Pela dúvida, ama impulsivamente, no momento. Se está longe dos olhos, está longe do coração. Tem grande necessidade de entender o sentido das coisas, é idealista, não admite injustiças e defende suas ideias e a verdade que conhece até o fim. Estando no vácuo Violeta, está mais aberto à possibilidade de sofrimento, que é capaz de superar analisando e compreendendo seus sentimentos. Não se entrega às fatalidades. Viajar, conhecer novos lugares, pessoas e suas histórias fazem-no sentir-se livre. Gosta de viver o hoje, da melhor e mais divertida forma possível.
O desespero de viver a vida próprio do Vermelho, em contraste com o Amarelo no vácuo Preto, faz com que tenha um descontrole no ato de conseguir os ítens relacionados à matéria.

Esses signos formam o grupo dos Mutáveis e têm como atômicos em seus chakras principais coronário, frontal, cardíaco e umbilical, o Amarelo, o Branco, o Prata e o Vermelho. Os signos Mutáveis, estando entre o começo e o fim das quatro estações, não lutam contra as situações, pois não têm compromisso com o fazer inicial, tampouco em matéria de estabilidade. Procuram descobrir novas maneiras de contornar obstáculos, alteram tudo à sua volta, na busca de uma espécie de evolução ou integração.

Apesar dessas características comuns, no Mapa Cosmológico calculado a partir da data de nascimento, encontra-se uma configuração única, de acordo com o posicionamento e os graus, retratando a individualidade de cada ser.



sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Brasileiros encontram irmã gêmea mais velha do Sol

Esta imagem segue a vida de uma estrela parecida ao Sol, desde o seu nascimento, à esquerda da figura, ao longo da sua evolução até chegar a uma gigante vermelha, à direita. Esta imagem é meramente ilustrativa; as idades, tamanhos e cores são aproximadas (não estão em escala). Na fase de protoestrela (situada no lado esquerdo da imagem) o objeto pode ser cerca de 2000 vezes maior que o Sol, enquanto na fase de gigante vermelha (no lado direito da imagem) a estrela pode ser algumas centenas de vezes maior que o Sol.[Imagem: ESO/M. Kornmesser]

Batize uma estrela
Uma equipe internacional, liderada por astrônomos brasileiros, utilizou o telescópio VLT, no Chile, para identificar e estudar a estrela gêmea do Sol mais velha conhecida até agora.
Situada a 250 anos-luz de distância da Terra, a estrela HIP 102152 é mais parecida com o Sol do que qualquer outra do mesmo tipo - tirando o fato de ser cerca de quatro bilhões de anos mais velha.
Mais velha, mas quase idêntica, esta gêmea do Sol traz a possibilidade de ver como será a
nossa estrela quando envelhecer.
Esta imagem mostra a gêmea solar HIP 102152, uma estrela situada a 250 anos-luz de distância da Terra na constelação do Capricórnio. [Imagem: ESO/DSS2/Davide De Martin]


Leia Matéria completa.

SITE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Brasileiros encontram irmã gêmea mais velha do Sol. 29/08/2013. Online. Disponível em www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=estrela-gemea-do-sol. Capturado em 30/08/2013. 

domingo, 18 de agosto de 2013

SACRO OFÍCIO


O sentido que se apreende de uma palavra passa a determinar ações por grande parte da vida — veio-lhe à mente, de impacto, ao reler o Sermão da Montanha.

Sua ideia de sacrifício, gravado como o maior deles, é ser cravado numa cruz com longos pregos enferrujados, a coroa de espinhos a penetrar na testa, a seiva rubra a escorrer por todo o corpo.

Também sublime é o dos pais, que trabalham pelo sustento dos filhos, suando em bicas, sem se importar com o cansaço. Padecer no paraíso, oferecer alimentos ou vidas para aplacar a ira dos deuses... na missa, comer o corpo e  beber o sangue.


Viver dignamente é preencher os vácuos daqueles que morreram, cumprir o papel dentro do grupo, atendendo expectativas. Fazer jus a esses atos tão valorizados, repetir, como em videoteipe  as cenas quotidianas. Sacrificar-se. Há coisas que se entende, mas não se compreende, dizem, resignados ou ansiosos. 


Uma dor física no centro do peito confronta-se a pontos de interrogação no cérebro. Alguma luz dentro dela sinaliza que existem lacunas, dissonâncias que impossibilitam completar a travessia em harmonia. A rebeldia sem causa que a acompanha incita a buscar a compreensão do incompreensível. Buscar uma causa, talvez.


Repassando em flashes as experiências vividas, lidas, assistidas, começa a perceber sob nova forma as interações.  Dentro das convenções, à medida em que se pratica as melhores qualidades, estas passam a ser aspectos já esperados e exigidos, acabando por escravizar.


No desenrolar das histórias,  dar espontaneamente o melhor de si é parte de um contrato, um papel, um acordo qualquer. As convenções prevalecem sobre as necessidades humanas, sobre as qualidades essenciais como liberdade, prazer, amor. A ordem das caixas é mais importante que seu conteúdo. O compartilhar transforma-se num jogo de interesses.


Pergunta a si mesma: — A partir de quando abdiquei de mim?


Os compartimentos preenchidos da razão abrem-se, pouco a pouco, passando a desenvolver um diálogo com seu coração. Permitem que desabafe, expondo situações e posturas que o apertam, outras que o deixam mais quente, ou mais leve, ou fazem-no saltitar. 

Juntos, cabeça e coração, lembram que sacrifício deriva de sacro-ofício. Realizar o que é sagrado. No caso de Jesus, é a palavra, são os ensinamentos o sacro-ofício. Para realiza-lo, suplantou a vida física. As dores não o desviaram do objetivo maior a que veio.


Num lampejo, ela se dá conta de que, por muito tempo, ofereceu o sacrifício de forma equivocada, confundindo o objetivo com o espetáculo.

  
Desta vez, porém, não se castiga. Não dispor de total clareza é condição de seu estado atual. Faz parte do aprendizado, convida a experimentar com o corpo as coisas do mundo. 

Continuando a conversa interna, surpreende-se com as notas que produz. Números naturais, racionais e irracionais se distorcem em letras, linguagens, expandem-se em mínimas, semibreves, colcheias, alternando figuras de som e silêncio.

Ela dança, executa o sacro ofício.



sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Pólos magnéticos do Sol estão prestes a inverter

A inversão de polaridade magnética do Sol é um fenômeno natural que ocorre a cada 11 anos,
seguindo os ciclos solares.[Imagem: NASA]

Segundo medições de observatórios da NASA, o campo magnético do Sol está prestes a inverter.
Inversão periódica
Algo realmente marcante está prestes a acontecer no Sol.
Segundo medições de observatórios da NASA, o campo magnético do Sol está prestes a inverter.
"Parece que estamos há não mais do que três a quatro meses de uma inversão de campo completa," disse o físico solar Todd Hoeksema, da Universidade de Stanford. "Esta mudança terá um efeito cascata em todo o Sistema Solar."
O campo magnético do Sol muda de polaridade aproximadamente a cada 11 anos, sempre no pico de cada ciclo solar.
A próxima reversão irá marcar o ponto médio do ciclo solar 24 - metade do "máximo solar" já terá passado, e vamos nos encaminhando para a metade final.
Isso significa que o atual "máximo solar" será na verdade bem "mínimo" - um dos mais fracos nos últimos 100 anos.
Leia matéria completa.
SITE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Pólos magnéticos do Sol estão prestes a inverter. 07/08/2013. Online. Disponível em www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=polos-magneticos-sol-vao-inverter. Capturado em 09/08/2013.


quinta-feira, 8 de agosto de 2013

ORIGENS


"Antes de eu vir a esta terra, eu era o mesmo. Como uma menina, eu era o mesmo. Eu cresci em feminilidade, mas eu ainda era o mesmo. E, mesmo agora, eu sou o mesmo. Embora a dança da criação nunca mude em torno de mim no corredor da eternidade, eu serei o mesmo."
- Sri Anandamayi Ma (1896-1982), mística Bengali 

Quando postei este texto pela primeira vez, em abril de 2012, ele surgia como uma resposta para questões conflituosas dentro e fora de mim, pressionada pela necessidade de me colocar frente a assuntos de certa forma apartados em algum momento da vida.

Polêmicas e numerosas são as discussões sobre as bases e as origens das coisas, tais como entre Astrologia e Astronomia, o começo do universo, as origens dos povos.

Buscando as raízes, inclusive as que me ligam ao estudo da Cosmologia Energética, encontro a Astrologia, da qual pouco havia falado, talvez por covardia, ou cansaço de ouvir tantas e injustas críticas.

Mantenho, aqui, meu pedido de perdão aos cientistas de plantão que porventura acessem este site e lanço mão da minha força interna para corrigir o lapso, reafirmando: o que me interessa, é a minha própria experiência. O meu ser interior. O que me é precioso, os ensinamentos que trouxeram as experiências dos demais. Meu objetivo, compartilhar minha vivência.

Por isso, me acoplo à premissa de que não se deve crer em nada. E convido os visitantes deste espaço a que não creiam em nada. Que façam suas experiências e comprovem por si mesmos. Afinal, não é assim que funciona a ciência?

No meu mapa Astrológico, Saturno e Netuno estão em conjunção, no signo de Libra, na casa 4.

Uma união de peso no início. Representando Saturno, o Rosa, características de gente trabalhadora, ciente de suas obrigações neste planeta, mas também ligada ao prazer físico. Ao lado, o grande regente Prata, Netuno, trazendo os mistérios da imensidão: espiritualidade, traduzem alguns, nebulosidade, confusão, traduzem outros.

Pude identificar nos meus pais essas tendências, coexistindo em ambos, sem grandes interações.

Assim como em mim. 

Na auto investigação, tem sido fácil descobrir a história da parte materna, a qual, ainda que repleta de grandes mudanças, preserva vestígios de sua existência.  Família de guerreiros e governantes, de vencedores e perdedores. Na época feudal do Japão, até onde cheguei, as posições sociais não eram sólidas, sujeitas aos resultados das frequentes e sangrentas batalhas. Tampouco os sobrenomes, que nem sempre seguiam a linhagem paterna. Mas conheço todos.

Daqui, concluo porque o ostracismo é um sentimento comum. De igual forma, a soberba e o perfeccionismo, itens essenciais para sobreviver, para se sobrepor.

Da parte de meu pai, parece tudo mais hermético e indefinível quando retrocedo no tempo além das relações vivenciadas com meus avós. Não encontro familiares que possam ampliar o que já conheço, fazendo parecer que tudo está dentro do politicamente correto, ou não.

Minha intuição e estudos do que está oculto começam a revelar alguns pontos. Vejo neste lado o meu espírito selvagem. Soube que a raça japonesa não é geneticamente pura como se acreditava, descendente dos deuses. Há pelo menos a mistura entre dois povos: os IAIOI, de rosto fino e comprido, imberbes, olhos mais oblíquos, mais intelectuais e administrativos, e os AINU, de rosto mais arredondado, olhos maiores, tez amorenada, e mais peludos, como cabe ao povo da floresta.

Como nômades, atravessaram o mundo, de onde pressinto a razão de estar aqui, neste lugar.  Me identifico com O-Chikara (A Grande Força). Intuo a razão das memórias de lugares diversos.

São enigmáticas as malhas de Netuno, mas me deixo guiar, isenta das amarras daquilo que considero racional.


Povo Ainu, Índios do Japão


Samurais



terça-feira, 6 de agosto de 2013

Físicos fazem caminho matemático das partículas ao Universo

No mundo real, relativístico e quântico funcionam conjuntamente sem traumas.
O problema é que ainda não entendemos como essa transição se dá.[Imagem: M.C. Escher/Wikipedia]

Finalmente foi demonstrada uma possibilidade de se encontrar uma compatibilidade entre a mecânica quântica e a relatividade geral.Como nas gravuras de M.C. Escher, em que as coisas se fundem de forma suave, o mundo é simultaneamente relativístico, clássico e quântico, dependendo das dimensões que consideremos.
O problema é que a ciência ainda não sabe descrever essa transição, e o quadro da nossa concepção filosófica da realidade é uma pintura longe de ser terminada.
Mas um vislumbre de como misturar as tintas e mover os pincéis para terminar esse quadro acaba de ser obtido de forma surpreendente por Steffen Gielen (Universidade de Hannover, Alemanha), Daniele Oriti (Instituto Perímetro, Canadá) e Lorenzo Sindoni (Instituto Max Planck, Alemanha).
O trio partiu de equações da mecânica quântica e chegou a uma equação cosmológica, desenvolvida há quase um século, que descreve o tipo de universo mais fundamental, um universo vazio, onde as coisas ainda estão por ser criadas





Leia matéria completa:
SITE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Físicos fazem caminho matemático das partículas ao Universo. 05/08/2013. Online. Disponível emwww.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=fisicos-alcancam-cosmologia-pela-gravidade-quantica. Capturado em 06/08/2013. 



sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Espaço-tempo não é o mesmo para todos

Neste modelo, o espaço-tempo clássico - esse em que vivemos - é criado pela interação da matéria com a gravidade quântica, de forma semelhante a que a estrutura atômica do gelo se forma a partir da água.[Imagem: Faculty of Physics/University of Warsaw]
Antes do Big Bang, o espaço-tempo como nós o conhecemos não existia.
Então, como ele nasceu?
O processo de criação do espaço-tempo que conhecemos a partir de um estado anterior, dominado pela gravidade quântica, tem sido estudado há anos por teóricos do mundo todo.
Agora, novas análises feitas por físicos da Universidade de Varsóvia, na Polônia, sugerem uma conclusão surpreendente: nem todas as partículas elementares estão sujeitas ao mesmo espaço-tempo.
...
Esta teoria assume que o espaço-tempo é estruturalmente bastante semelhante a um tecido, sendo constituído por um grande número de pequenas fibras emaranhadas em anéis. Uma área de um centímetro quadrado pode conter um milhão de trilhões de trilhões de trilhões de trilhões de trilhões (1066) dessas fibras.


Outra discussão relacionada a esta é se o próprio tempo é real ou é uma ilusão. [Imagem: FQXi]
Leia matéria completa.
SITE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Espaço-tempo não é o mesmo para todos. 31/07/2013. Online. Disponível em www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=espaco-tempo-nao-mesmo-todos. Capturado em 02/08/2013. 


quarta-feira, 31 de julho de 2013

EM BUSCA DO PLANETA AZUL


Nós, que nos identificamos com os ensinamentos da Cosmologia Energética, somos cientes de que o tema não se esgota facilmente. E este, justamente, é o grande desafio que nos mantém unidos e alertas, sempre abertos a novas informações e interpretações.

Ajustar esses conhecimentos, oriundos de povos de intuição e clarividência altamente desenvolvidas, com os crivos do plano racional é tarefa que exige, ao mesmo tempo, fidelidade aos dados repassados e aprimoramento da própria intuição para poder acessar seus mais profundos significados. É preciso aprender a ver o invisível, captar as sutilezas e a magnitude do movimento do universo.

Neste estudo, o Azul, representado também pelo signo de Libra, é o Elno. Para os índios, é um peregrino que, como uma placenta, vai se inflando, colhendo a negatividade dos corpos sobre os quais passa, causando intensa transformação. O símbolo utilizado, a lemniscata, também conhecido por infinito, ilustra o seu trajeto entre dois sistemas, um deles o nosso.

Para esses povos sábios, o Azul é Deus, o justiceiro que suga os erros, formando com eles um novo Preto, um conjunto de matéria morta a ser trabalhada em outro sistema.

Diferente dos demais planetas e luminares que norteiam os estudos da Cosmologia Energética, torna-se visível apenas à medida em que se aproxima. Assim, restou-nos apenas o registro da experiência intuitiva que tentamos transformar em números:
-  Os minutos Elno, ao nascimento e ocaso do sol, instantes em que se detém, dando lugar ao índigo;
-  Até 1960, na posição e grau oposto à lua de dia e oposto ao sol à noite;
- A partir de 1960, na posição e grau de Kíron, considerado um asteróide próximo ao misterioso caminhante.

Nosso mestre xamã, Juan Uviedo, dizia que aproximadamente em 2.250 a Terra sentirá os efeitos mais fortes desse astro. Veja mais em sua palestra transcrita: Intras, Extras e a Evolução dos Planetas. Cinturão de Fótons, Nibirus, Kachina Azul, diversas profecias e descobertas acabam misturando-se e ramificando-se em crenças e teorias, acompanhando as necessidades e temores dos indivíduos.

Figura gentilmente cedida por Susana Estrada, direto de Portugal

Dentro dos nossos grupos de estudos, surgem tabelas de movimentação do Azul, porém, refletindo o momento em que vivemos no planeta, de intenso surgimento de situações ambíguas, múltiplas e de quebra de paradigmas, ainda existem divergências e dúvidas.
Alguns tomam por base a tabela acima, outros seguem o posicionamento de Kíron até que, porventura, Elno se torne visível.

Nada a se estranhar, considerando o protagonista que sempre nos leva a perguntas sem respostas e a voltar olhos humildes ou inquiridores para o céu, abrindo-nos ao desconhecido.

Algumas descobertas científicas para ativar nossa imaginação:
Descoberto Planeta Azul próximo
Estranho Asteróide
Exoplaneta Azul


sábado, 20 de julho de 2013

MARESIA


Pode o que é sagrado deixar de sê-lo?

Levada pelo vento, ela oscila entre crenças e descrenças, seguindo o caminho tortuoso que provoca, de quando em quando, náuseas, males de mar.

Trocando fases, como uma lua, sente devoção pelo ar que respira, por cada manifestação de vida, crescendo e decrescendo.

Há momentos em que tudo é escuridão. Mergulha, tentando quitar o que a mantém viva.

Em outros, deixa-se invadir pela luz, que se expande através dos seus olhos fechados. De tão plena, sequer distingue as formas das coisas.

Ouve, ao longe tão perto, vozes além da fala:
"O Atman consiste do espírito, cuja encarnação é vida, cuja forma é luz, cuja essência é espaço, que muda sua forma à vontade, rápido como pensamento." Sukla Yajur Veda
"O açúcar é doce o tempo todo, mesmo no escuro. Assim, permanece a devoção para os devotos, em tempos de conforto ou desconforto, elogios ou insultos, escuridão ou iluminação." Pramukhswami Maharaj

Soam como música, células e cores dançam.

No corpo imóvel, lábios se estendem fazendo surgir maçãs.