quarta-feira, 22 de setembro de 2010

MESTRE JUAN


Na MONTANHA, que ele reinventou

Segundo mestre Juan, Cosmologia é a lógica do movimento, dançar sem que nos pisem os pés, saber mover-nos para atingir nossos objetivos. Traduzi para mim como sendo a lógica da vida, que sigo buscando a cada instante, como parte desse TUDO e, essencialmente, um instrumento para revelar o ser único que somos e nossos papéis nesse sistema. Mas isso também é apenas uma parte. Somente dançando podemos encontrar o lugar, o instante exato da nossa conexão total.


Como o conheci e segui, conto em partes nos links:
O CHAMADO
A CIDADE IDEAL-PORTAS
A CIDADE IDEAL-A MONTANHA  sacaROSE

Compartilho aqui um pouco dos seus pensamentos, que ele gostava que eu traduzisse de seu Portunhol:

Sobre o Xamã:
Juan, na MONTANHA em l989
Quem conhece SÃO THOMÉ DAS LETRAS é capaz de visualizar a paisagem que descreve, vista de onde todas as manhãs realizava o ritual de saudação ao Sol:
   
Acima da terra, das pedras, das montanhas, o céu
Vai se tornando claro
A última estrela brilha como prata
Para saudá-la, o tambor bate
A bruma ainda flutua entre ilhas,
Que se nos apresentam como pequenos
Montes escondendo suas íntimas verdades de altos cimos.

Ele tira a roupa em cerimônia para o Tudo, como se fosse rito.
A noite se dissolve até o nada.
A luz
O sol que nasce
Nu, se deixa ver pelo sol, que apaixonado se avermelha.
Soam as flautas
Inicia-se o dia.

Nas casas, grandes ou pequenas,
De um lado para outro da tribo,
As pessoas acordam

Um antropólogo, certa vez, disse:
“Os xamãs são os domesticadores do caos”
ou
“os construtores da cultura”

Onde reside a sua habilidade?
Onde está seu segredo?
Por onde começa o seu poder?

No respeito à natureza
No participar da dança do Tudo
Na harmonia em integrar os acontecimentos constantes
Na intimidade dos elementos
No planificar o imprevisto
Na visão para conduzir sua tribo
Na compreensão da dependência
No conhecer os limites
Na segurança de estar em comunhão
Na paz do não conflito
No aceitar-nos
No amar-nos

A vida em Tao
Saber se somos pêssegos ou bananas
Entender nossos limites
Educar-nos
Chegar a ser, tentando
Saber-se humildemente ligado
Concatenado
Em equilíbrio

Ser parte da dança
Tecer a nossa natureza com o Tudo
Desprender-nos
Com sapiência do átomo

Não ter medo de explodir
De ser só um som
De mutar-nos
                  Transformar-nos
                  Desintegrarmo-nos
                  Renascer novamente
                  Ressuscitar

Saber que nada acaba, senão que se transforma
Aprender a ser leves

Sábios, alegres, memoriosos como o ar
Perseverantes, compreensivos e entregues como a água
Humildes, seguros e conscientes como a terra
Apaixonados, exigentes e aceitos como o fogo

Aprender a ser pedra.

Guerreiro curador xamã



Sobre Deus:


Sol nascendo na Montanha - foto de Zé Bambu

Ou devemos mudar a idéia de Deus,
                 para acomodá-la a Deus,
Ou devemos mudar a Deus,
                 para acomodá-Lo à nossa idéia de Deus.
Mas nesse segundo caso, nós criamos a Deus.
Se a imagem de Deus é nossa,
                               Nós criamos a Deus.
Se nós pensamos em Deus,
                 devemos pensar em alguma coisa sem nenhuma,
                 ou com todas as formas,
Para que Ele comungue harmonicamente conosco.
Ele é nós
Nós somos uma parte Dele
Nós somos uma parte entre todos nós juntos
O Todo é uma parte.

Se em cada coisa te encontro,
Em cada pedaço,
Em cada caso,
Em cada ser,
Em cada rincão,
Em cada canto,
Estás e és formoso como Deus
É seguro,
És Deus.

Agora minha consciência te define
És todo mais todo
És algo inominável
Não pude nomear-te
Senão me confundo.
De dizer-te de algo,
De chamar-te de um
Deixas de ser Deus.
Só serás, então, produto de minha mente.
E não me sinto digno.
Eu, por acaso, formiga número setemilhõesnovecentosesetentaedoiseoitentabarrapeseefe de uma cidade,
De um estado,
De um país,
De um continente,
De um planeta,
De um sistema,
De um Seu universo.

Se eu Te batizasse
Se eu Te formasse sequer em minha cabeça
Se eu me atrevesse a pensar-Te
Eu seria maior que Vós.
Vós seríeis minha criação.
Pouca coisa seríeis Vós,
Sendo menos do que eu.

Eu sou cada vez melhor dentro da minha parte,
Minha parte que é nós
Minha parte que é parte desse todo mais todo
Que alguém
(respeito sua coragem)
Denominou: Deus.


Sobre Pedras:



Ser pedra
o tão pouco pequena
para que ninguém a carregue
mas onde o peregrino 
possa sentar-se um tempo

Ser pedra 
nem sequer bonita
para que ninguém a ame

Ser pedra
que não seja diferente
para que ninguém a lembre

Ser isso...
só pedra.


"La mentira es la estrategia de la verdad” (Juan Uviedo)


En venta únicamente en:
Sólo Cine, Rodríguez Peña 402, esquina Corrientes. (4375 0855)
Video Club Le Film, Pichincha126 – Altura Rivadavia 2.300. (4952 5604)
Espacio Abasto, Agüero 461, a metros del Shopping. (4862 6579)
EL PROVOCADOR
Primeiro filme en portuñol
Documental, Argentina 2011
86 minutos – HDV + Imágenes inéditas y subtítulos en español, inglés y portugués
Una producción de Adoquín Video Digital y Cinema do Polvo, con el apoyo del Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales (INCAA) de Argentina.

contato: adoquin@fibertel.com.ar

  EL PROVOCADOR (trailler) elaborado com muito profissionalismo pela Adoquin, empresa de amigos do Juan na Argentina. O filme foi exibido no Cine Gaumont de lá por duas temporadas, uma delas em abril de 2012, rendeu muitos elogios e proposta para compor o estudo da UBA do Instituto Gino Germani, que tem como objeto a arte na ditadura.
Nós, que amamos esse grande mestre, estamos felizes, assim como outros que compartilharam suas lutas políticas mais diretamente, pois, como dizem, após vários anos,  o que fizeram toma importância histórica, política e estética.

Matéria em La Nacion 19/04/2012


PREMIO PODESTÁ
Mais uma homenagem póstuma a Mestre Juan: Pablo Navarro e Silvi Maturana, acompanhados de membros do TIT (taller de investigaciones teatrales) idealizado por Juan Uviedo na Argentina, nos tempos da ditadura, recebe um prêmio especial no Senado Argentino. Presente à cerimônia, também, os companheiros Kur, D'Apice, Paulita, Batata, Carlos Roman.





Veja também:
  • Palestras realizadas no Imagick (São Thomé das Letras-MG):
        MAGIA TRIBAL
       JOGO DE PEDRAS
       COSMOLOGIA XAMÂNICA
       PSICODRAMA
  • CASA DO EMPREGO E RENDA - Homenagem do povo de São Thomé das Letras (2012):



Havia tristeza em seu semblante. Parecia cansado, o peso do mundo em seu olhar.
À sua frente, uma câmera, que tentava capturar alguns momentos de sua vida. Ao seu lado, uma de suas netas do coração, a quem confessava: — Não descobri o que é o amor.
Circulando em seu meio, correndo o mundo, esta afirmação tocou as pessoas para quem ele era a própria personificação do amor.
El Provocador, o nome do filme.
Mais uma provocação, do grande provocador.
Amor?!… sim, desde o início, juntos, procurávamos o significado profundo desta palavra, inspirados pelo amor que víamos nele.
Nas nossas ações, buscávamos nele, com ele, através dele, amar, da mesma forma que contemplamos as montanhas, o sol, a lua, a paisagem deslumbrante de São Thomé das Letras, tentando capturar um pouco de sua beleza.
O amor, a beleza nos parecem efêmeros, fugidios.
Mas, se abrimos os olhos da alma, respirando, conscientes de estarmos vivos, podemos toca-los por instantes. Eles estão ao nosso redor, estão dentro de nós.
A natureza não descobre a si mesma, tampouco a luz.
Simplesmente são.
Juan é, simplesmente, amor.

Texto escrito para a Revista Alter - Arte Nativa de São Thomé das Letras, de Pablo Niemtzof e outros artistas da cidade em agosto/2012, publicado em outubro/2012.