quinta-feira, 23 de setembro de 2010

A Cosmologia na China


Entre as civilizações antigas é certo que a chinesa foi uma das primeiras a se preocupar com a astronomia. Já entre os séculos 3 e 4 antes de Cristo os astrônomos chineses Shi Shen, Gan De e Wu Xian mapearam as posições das estrelas no céu e determinaram algumas constelações (bem diferentes daquelas construidas no mundo ocidental uma vez que o desenho de constelações não possui base física). Segundo alguns historiadores, esse é o mais antigo mapa estelar que se conhece. Ao longo dos séculos muitas cópias foram feitas desse mapa. Abaixo mostramos a cópia mais antiga existente deste mapa, feita na Dinastia Tang, aproximadamente século IX da nossa era. Ele foi descoberto, na época moderna, nas ruinas de um mosteiro nos desertos da Ásia Central.


Abaixo mostramos o mapa estelar da projeção polar sul feita para o globo celeste do engenheiro mecânico e cientista chinês Su Song (1020-1101) da Dinastia Song (960-1279). Esse mapa foi publicado pela primeira vez no livro "Xin Yi Xiang Fa Yao".




A cosmologia da China antiga pode ser vista na arte, arquitetura e nos escritos mais antigos deste povo. Ela está fortemente impregnada com as religiões dominantes, o Taoismo e o Confucionismo.

A cosmologia chinesa é muito esparsa no que diz respeito à criação. Entretanto, existe um mito que data do século 3 a.C. que estabelece que no começo, o céu e a terra estavam unidos sob a forma de uma vasta nebulosidade na forma de um ovo. O primeiro homem sobre a Terra foi Pangu, e foi ele que separou o céu e a terra. Alguns dizem que ele fez isso usando um machado. Outros dizem que ele fez isso crescendo cada vez mais até que os dois foram obrigatoriamente divididos. Em qualquer um dos casos, a porção mais leve deslocou-se para cima, tornando-se o firmamento enquanto a porção mais pesada acomodou-se na parte de baixo e se tornou a terra.

Quando Pangu morreu sua cabeça se tornou as montanhas, seus olhos o Sol e a Lua, suas artérias e veias os mares e rios e seu cabelo e pele as plantas e os vegetais. Não obstante, seus restos mortais são ditos terem sido enterrados em algum lugar em uma montanha na província de Guangdong.

A interpretação chinesa da orientação física do universo teve pouca influência filosófica. Existem várias interpretações individuais diferentes mas cada uma delas contém várias idéias básicas comuns sobre a estrutura universal.

Sabemos que os chineses na verdade distinguiam entre estrelas e planetas e que já tinham notado o comportamento errático de vários corpos celestes. Existiam inicialmente três modelos de orientação celeste:
  • Gai Tian
    Era a teoria do firmamento em forma de domo. Ele colocava o que hoje chamamos de Ursa Maior no centro do domo celeste e a China ficava no centro da Terra.
  • Hun Tian
    Era a escola que previa um firmamento esférico com uma forma muito semelhante a um ovo de galinha onde a terra é como a gema. O firmamento era mantido suspenso por um vapor chamado "qi". Esta teoria particular conduziu a vários avanços tecnológicos na astronomia como a construção de esferas e anéis armilares.
  • Xuan Ye
    Era a teoria que nos dizia que o universo era infinito e os corpos celestes estavam suspensos nele. Essa idéia, obviamente, não era justificada por qualquer fato ou observação.
Em quase todas estas interpretações do firmamento, um vento ou vapor celestial sustentava os corpos celestiais. Este é um conceito chines muito comum no qual o vento não somente mantinha suspensas as estrelas fixas no céu mas também, devido ao arrasto viscoso proveniente da Terra, produzia o movimento para trás do Sol, da Lua, dos cinco planetas visíveis e das estrelas.

Os chineses percebiam o céu como sendo arredondado. Ele tinha nove níveis cada um dos quais separado por um portão e guardado por um animal particular. O nível mais alto era o "Palácio da Tenuidade Púrpura". Era ai que o Imperador do Céu vivia, na constelação que hoje chamamos de Ursa
Major.





No centro do céu estava o Pólo Norte e a Estrela Polar. O pólo celeste era uma característica crítica da cosmologia chinesa. Para os chineses esse centro era o ponto geográfico mais importante porque ele era o ponto mais próximo ao firmamento. Eles acreditavam que o coração da civilização estava situado no centro da Terra e à medida que a Terra se espalhava para fora deste centro as terras e seus habitantes se tornavam cada vez mais selvagens.

Fonte: site do Portal do Ministério da Ciência e Tecnologia, que dispunha de um curso completo sobre Cosmologia nos diversos tempos.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

MESTRE JUAN


Na MONTANHA, que ele reinventou

Segundo mestre Juan, Cosmologia é a lógica do movimento, dançar sem que nos pisem os pés, saber mover-nos para atingir nossos objetivos. Traduzi para mim como sendo a lógica da vida, que sigo buscando a cada instante, como parte desse TUDO e, essencialmente, um instrumento para revelar o ser único que somos e nossos papéis nesse sistema. Mas isso também é apenas uma parte. Somente dançando podemos encontrar o lugar, o instante exato da nossa conexão total.


Como o conheci e segui, conto em partes nos links:
O CHAMADO
A CIDADE IDEAL-PORTAS
A CIDADE IDEAL-A MONTANHA  sacaROSE

Compartilho aqui um pouco dos seus pensamentos, que ele gostava que eu traduzisse de seu Portunhol:

Sobre o Xamã:
Juan, na MONTANHA em l989
Quem conhece SÃO THOMÉ DAS LETRAS é capaz de visualizar a paisagem que descreve, vista de onde todas as manhãs realizava o ritual de saudação ao Sol:
   
Acima da terra, das pedras, das montanhas, o céu
Vai se tornando claro
A última estrela brilha como prata
Para saudá-la, o tambor bate
A bruma ainda flutua entre ilhas,
Que se nos apresentam como pequenos
Montes escondendo suas íntimas verdades de altos cimos.

Ele tira a roupa em cerimônia para o Tudo, como se fosse rito.
A noite se dissolve até o nada.
A luz
O sol que nasce
Nu, se deixa ver pelo sol, que apaixonado se avermelha.
Soam as flautas
Inicia-se o dia.

Nas casas, grandes ou pequenas,
De um lado para outro da tribo,
As pessoas acordam

Um antropólogo, certa vez, disse:
“Os xamãs são os domesticadores do caos”
ou
“os construtores da cultura”

Onde reside a sua habilidade?
Onde está seu segredo?
Por onde começa o seu poder?

No respeito à natureza
No participar da dança do Tudo
Na harmonia em integrar os acontecimentos constantes
Na intimidade dos elementos
No planificar o imprevisto
Na visão para conduzir sua tribo
Na compreensão da dependência
No conhecer os limites
Na segurança de estar em comunhão
Na paz do não conflito
No aceitar-nos
No amar-nos

A vida em Tao
Saber se somos pêssegos ou bananas
Entender nossos limites
Educar-nos
Chegar a ser, tentando
Saber-se humildemente ligado
Concatenado
Em equilíbrio

Ser parte da dança
Tecer a nossa natureza com o Tudo
Desprender-nos
Com sapiência do átomo

Não ter medo de explodir
De ser só um som
De mutar-nos
                  Transformar-nos
                  Desintegrarmo-nos
                  Renascer novamente
                  Ressuscitar

Saber que nada acaba, senão que se transforma
Aprender a ser leves

Sábios, alegres, memoriosos como o ar
Perseverantes, compreensivos e entregues como a água
Humildes, seguros e conscientes como a terra
Apaixonados, exigentes e aceitos como o fogo

Aprender a ser pedra.

Guerreiro curador xamã



Sobre Deus:


Sol nascendo na Montanha - foto de Zé Bambu

Ou devemos mudar a idéia de Deus,
                 para acomodá-la a Deus,
Ou devemos mudar a Deus,
                 para acomodá-Lo à nossa idéia de Deus.
Mas nesse segundo caso, nós criamos a Deus.
Se a imagem de Deus é nossa,
                               Nós criamos a Deus.
Se nós pensamos em Deus,
                 devemos pensar em alguma coisa sem nenhuma,
                 ou com todas as formas,
Para que Ele comungue harmonicamente conosco.
Ele é nós
Nós somos uma parte Dele
Nós somos uma parte entre todos nós juntos
O Todo é uma parte.

Se em cada coisa te encontro,
Em cada pedaço,
Em cada caso,
Em cada ser,
Em cada rincão,
Em cada canto,
Estás e és formoso como Deus
É seguro,
És Deus.

Agora minha consciência te define
És todo mais todo
És algo inominável
Não pude nomear-te
Senão me confundo.
De dizer-te de algo,
De chamar-te de um
Deixas de ser Deus.
Só serás, então, produto de minha mente.
E não me sinto digno.
Eu, por acaso, formiga número setemilhõesnovecentosesetentaedoiseoitentabarrapeseefe de uma cidade,
De um estado,
De um país,
De um continente,
De um planeta,
De um sistema,
De um Seu universo.

Se eu Te batizasse
Se eu Te formasse sequer em minha cabeça
Se eu me atrevesse a pensar-Te
Eu seria maior que Vós.
Vós seríeis minha criação.
Pouca coisa seríeis Vós,
Sendo menos do que eu.

Eu sou cada vez melhor dentro da minha parte,
Minha parte que é nós
Minha parte que é parte desse todo mais todo
Que alguém
(respeito sua coragem)
Denominou: Deus.


Sobre Pedras:



Ser pedra
o tão pouco pequena
para que ninguém a carregue
mas onde o peregrino 
possa sentar-se um tempo

Ser pedra 
nem sequer bonita
para que ninguém a ame

Ser pedra
que não seja diferente
para que ninguém a lembre

Ser isso...
só pedra.


"La mentira es la estrategia de la verdad” (Juan Uviedo)


En venta únicamente en:
Sólo Cine, Rodríguez Peña 402, esquina Corrientes. (4375 0855)
Video Club Le Film, Pichincha126 – Altura Rivadavia 2.300. (4952 5604)
Espacio Abasto, Agüero 461, a metros del Shopping. (4862 6579)
EL PROVOCADOR
Primeiro filme en portuñol
Documental, Argentina 2011
86 minutos – HDV + Imágenes inéditas y subtítulos en español, inglés y portugués
Una producción de Adoquín Video Digital y Cinema do Polvo, con el apoyo del Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales (INCAA) de Argentina.

contato: adoquin@fibertel.com.ar

  EL PROVOCADOR (trailler) elaborado com muito profissionalismo pela Adoquin, empresa de amigos do Juan na Argentina. O filme foi exibido no Cine Gaumont de lá por duas temporadas, uma delas em abril de 2012, rendeu muitos elogios e proposta para compor o estudo da UBA do Instituto Gino Germani, que tem como objeto a arte na ditadura.
Nós, que amamos esse grande mestre, estamos felizes, assim como outros que compartilharam suas lutas políticas mais diretamente, pois, como dizem, após vários anos,  o que fizeram toma importância histórica, política e estética.

Matéria em La Nacion 19/04/2012


PREMIO PODESTÁ
Mais uma homenagem póstuma a Mestre Juan: Pablo Navarro e Silvi Maturana, acompanhados de membros do TIT (taller de investigaciones teatrales) idealizado por Juan Uviedo na Argentina, nos tempos da ditadura, recebe um prêmio especial no Senado Argentino. Presente à cerimônia, também, os companheiros Kur, D'Apice, Paulita, Batata, Carlos Roman.





Veja também:
  • Palestras realizadas no Imagick (São Thomé das Letras-MG):
        MAGIA TRIBAL
       JOGO DE PEDRAS
       COSMOLOGIA XAMÂNICA
       PSICODRAMA
  • CASA DO EMPREGO E RENDA - Homenagem do povo de São Thomé das Letras (2012):



Havia tristeza em seu semblante. Parecia cansado, o peso do mundo em seu olhar.
À sua frente, uma câmera, que tentava capturar alguns momentos de sua vida. Ao seu lado, uma de suas netas do coração, a quem confessava: — Não descobri o que é o amor.
Circulando em seu meio, correndo o mundo, esta afirmação tocou as pessoas para quem ele era a própria personificação do amor.
El Provocador, o nome do filme.
Mais uma provocação, do grande provocador.
Amor?!… sim, desde o início, juntos, procurávamos o significado profundo desta palavra, inspirados pelo amor que víamos nele.
Nas nossas ações, buscávamos nele, com ele, através dele, amar, da mesma forma que contemplamos as montanhas, o sol, a lua, a paisagem deslumbrante de São Thomé das Letras, tentando capturar um pouco de sua beleza.
O amor, a beleza nos parecem efêmeros, fugidios.
Mas, se abrimos os olhos da alma, respirando, conscientes de estarmos vivos, podemos toca-los por instantes. Eles estão ao nosso redor, estão dentro de nós.
A natureza não descobre a si mesma, tampouco a luz.
Simplesmente são.
Juan é, simplesmente, amor.

Texto escrito para a Revista Alter - Arte Nativa de São Thomé das Letras, de Pablo Niemtzof e outros artistas da cidade em agosto/2012, publicado em outubro/2012.



sexta-feira, 17 de setembro de 2010

MAPA COSMOLÓGICO - O QUE É


                    Veja também: UM GUIA NESTE CONTEXTO DE CAOS

O Mapa Cosmológico, ou Carta de Gestação, indica como é composto o indivíduo, em sua unidade, estando calculadas as entradas de energia na fecundação, aos três meses de gestação, aos seis e no nascimento.


                                      
Para a Cosmologia Energética, cada unidade, somente no caso do ser humano, é formada por 4 espíritos, que compõem seu campo energético, um de fogo, um de terra, um de água e um de ar, podendo haver falta de um deles, com a repetição de determinado elemento.

Cada espírito é composto por três energias, que se manifestam, neste estudo, por cores e sabem, consciente ou inconscientemente, a sua história. As três energias que formam um espírito são chamadas irmãs. Elas se massificam através da junção de uma energia ativa + uma energia passiva, que atrai uma terceira, a energia atômica. As energias atômicas são as que melhor representam a unidade. São colocadas no Mapa abaixo no ítem Bloco.

Antes de encarnarem como irmãs, elas permanecem em capas ao redor da Terra, junto com suas energias primas, cada qual de acordo com sua espécie:
Anárquicas: Amarelo, Preto, Azul e Prata – revolucionam.
Egóicas: Marrom, Dourado, Rosa e Celeste – executam.
De Fé: Verde, Vermelho, Branco e Violeta – analisam.


O Mapa Cosmológico é dividido em quadrantes que ilustram o posicionamento das energias, também mostradas no quadro Posição nos Chacras:

No Driver I, são representadas as energias que formaram o embrião, no ato da fecundação.  Uma energia ativa, fornecida pela mãe, que se instala no pé direito; uma passiva, pelo pai, que se instala no pé esquerdo, e a atômica, pelo cosmo, no chacka umbilical.  Indicam: o que move a unidade.

No Driver II, as energias que entram aos três meses de gestação, momento em que o embrião transforma-se em feto, começando a criar seu cérebro e seu registro. A ativa instala-se no chacka laríngeo, a passiva na vesícula e a atômica no chakra do terceiro olho. Indicam: como a unidade percebe.
             
No Driver III, as energias que entram aos seis meses, a ativa se instala na mão direita, a passiva na mão esquerda e a atômica no chakra cardíaco. Indicam: como a unidade sente.
                       
No Driver IV,  mais três energias, a ativa instala-se no kundalini, a passiva nas costas e a atômica no no chakra coronário. É o leme. Indicam: a direção da unidade.


Também são colocadas as luas, a fase e sua posição à entrada de cada espírito.
                                                                            
Cada energia, cada cor, possui e expressa um temperamento essencial e se relaciona com determinados aspectos da vida humana (Tabela 1)


ELE
MEN
TO

CÔR

REGENTE

SIGNO


ASPECTOS RELACIONADOS
FOGO
Vermelho
Marte
Sagitário
ação, ímpeto, sexualidade
Preto
Plutão
Leão
matéria, físico, dinheiro, valores
Dourado
Sol
Áries
essência, diferencial, alvo
TERRA
Amarelo
Mercúrio
Virgem
análise, comunicação, diplomacia
Verde
Júpiter
Touro
nutrição física/mental/espiritual
Marrom
Terra
Capricórnio
paternidade, normas, hierarquia, espaço
ÁGUA
Prata
Netuno
Peixes
movimento cósmico, estratégia, invisibilidade
Celeste
Vênus
Cancer
maternidade, criação, afetividade, estética
Violeta
Lua
Escorpião
sofrimento, transformação, consciência
AR
Branco
Urano
Gêmeos
devoção, tradição, memória, família
Rosa
Saturno
Aquário
prazer, amor, crianças, espontaneidade
Azul
Elno
Libra
razão, conhecimento universal
Tabela 1

As flechas dentro do círculo, fazendo ligações entre algumas cores, ou fechando-se dentro da própria cor, indicam o intercâmbio entre as energias, marcam o ritmo cerebral. Os movimentos mais importantes são representados no quadro Anéis - Movimentos Finais, que representam comportamentos condicionados, não raro repetidos ao longo de muitas existências, mas que podem ser reprogramados.


Mapa Cosmológico


connectome - mapa de conexões do cérebro humano
Os índios, com sua forma mais instintiva de solucionar os problemas, utilizam jogos e rituais na reprogramação. Para os que preferem o intelecto e a ciência, o trabalho com a consciência é o fator transformador. Criar novas sinapses no cérebro, ampliar seu uso, pode ser libertador. A Física Quântica também tem revelado novas formas. Os limites se ampliam. Segundo relatos, também podem ocorrer trocas energéticas em acidentes, experiências de quase morte, ou outras, patrocinadas por vivências místicas. As novas descobertas validam os refrões dos velhos sábios que já diziam que nós mesmos construímos as formas-pensamento que compõem as personalidades criadas através dos tempos. Podemos, portanto, aperfeiçoa-las.

O círculo externo de cores representa os vácuos fixos do cérebro humano, onde se encontra gravada toda a história, o inconsciente coletivo.

A graduação de 0 a 29º colocada no mapa dentro de retângulos no lado externo do círculo, indica a razão da encarnação de cada energia (cada cor). A flecha ao lado da graduação indica se a energia está em movimento direto, ou retrógrado (repetição de situação já vivida). Se o grau da energia for acima de 9, deve-se somar um algarismo ao outro para obter a razão (tabela 2).

Os graus indicam o ciclo de aprendizagem em que se encontra a energia, e eles se expandem pelas doze cores (em cada cor vivencia 29 graus) e nos quatro elementos, cada qual representando um estágio :
Graus de 0 a 7: aprendizado de Fogo – refere-se ao aprendizado básico de sobrevivência.
Graus de 9 a 16: aprendizado de Terra – refere-se às questões práticas, inclui a vivência em grupos ou sociedades.
Graus de 18 a 25: aprendizado de Água – refere-se ao lado emocional da vida, resolvidas as questões práticas e de sobrevivência. 
Graus de 27 a 29: aprendizado de AR  - refere-se ao lado mental, à compreensão, à abstração, à vida além do corpo. 

A graduação mostra também a idade em que a energia se manifesta mais ativamente. Por exemplo, se uma energia está em grau 21, sua razão é Missão e será sentida especialmente aos 21 anos e, na progressão, aos 42, aos 63 e assim por diante, de 21 em 21 anos. Ela segue atuando normalmente durante a vida, porém, é nessas idades marcadas que ocorrem as experiências mais importantes dessa energia, para a unidade.

Grau

                        R  a  z  ã  o

0 ou 9
Cozinha Cósmica (culminação do energético) – a energia já completou um ciclo e está em estado de repouso; não tem pendência, nem obrigação. O aprendizado desta vez vem através da contemplação.
1

Aceitação – também não tem pendência, basta vivenciar as diversas situações. É um aprendizado sobre independência.
2
Karma – existe uma cobrança devido a assuntos não resolvidos anteriormente. Mobiliza toda a unidade para cumpri-lo. Exige uma postura receptiva, apaziguadora.
3
Missão – cumprido o Karma na vivência anterior, sente o impulso de recomeçar sob nova forma; é um estágio para perceber que pode agir de forma diferente,  plantar uma boa semente.
4
Concretização (culminação do físico) – necessita deixar sua marca no mundo – algo concreto, que sobreviva ao corpo físico.
5
Mudança de Concepção – a energia precisa aprender a ver de forma diferente da que a trouxe até aqui, revolucionar os conceitos.
6
Iniciação – já transcendeu o plano físico e mental e começa a entrar no espiritual; inicia-se em algo mais elevado do que a levou à razão 4.
7
Graduação – passa por provas decisivas para ganhar a maestria; gradua-se; já aprendeu quase tudo o que precisa, agora se prepara para ensinar.
8
Maestria (culminação do espírito) – deve ensinar, guiar, deixar discípulos.
Tabela 2

Maiores informações nos posts sob os marcadores COSMOLOGIA ENERGÉTICA CÁLCULOS