sexta-feira, 25 de maio de 2012

O ANJO APRENDIZ - Lição 5 - Novas Concepções



Passam-se dias... anos talvez?!...

O anjo não sabe. Parece haver um restringimento em seu cérebro. Olha para o céu, sequer distingue a estrela de onde veio.

Desconcerta-se.

Esforça-se: seria aquela mais brilhante a leste?
Não, não se lembra. Continua olhando por alguns instantes, um sentimento de nostalgia invadindo o peito, sorrateiramente.

Situações novas que o tiram do estado contemplativo ao qual estava habituado tornam-se cada vez mais frequentes. As tarefas já avançam no restante da noite e na madrugada, de forma intermitente.

O desafio é implantar novas concepções a partir da necessidade vislumbrada por seus novos-velhos amigos: os tempos exigem uma nova educação, uma nova cidade.


Há muito o que fazer. Muitas portas para abrir.
Nas mãos, enormes molhos de chaves, cujo tilintar produz em sua mente imagens de grossas correntes.
Afasta os devaneios que tomam o lugar de seus pensamentos.

Não há tempo para devaneios, tampouco para pensamentos.

Lembranças esparsas de como fazer são imediatamente descartadas.

É preciso prestar atenção, ouvir os anseios das crianças, do povo, para adequar o projeto.
Usar todo o aparato sensorial do corpo físico.
Isento de idéias prévias.
Isento de programações baseadas no ontem ou no amanhã fictício.

Viver hoje.
Atento.
Presente.

Estado contemplativo, sim, mas novo.
Nova forma, novos conceitos.


quinta-feira, 17 de maio de 2012

O ANJO APRENDIZ - Lição 4 - Micuins




Como que atado por fios invisíveis, o anjo fica.

Adere às tarefas, suficientes para preencher todo o seu dia e parte da noite.

Ainda não se sente familiarizado com as próprias manifestações orgânicas - os gostos, os cheiros humanos.

Tampouco com as preferências e modos de agir dos demais, cada qual diferente de si e entre si. O que parece bom para ele, nem todos apreciam e vice-versa.

O que pulveriza seus pensamentos agora o enlouquece. Pontinhos pretos, minúsculos, invadem seu corpo. Alguns se movem furtivamente, procurando esconderijo, outros parecem mergulhar profundamente.

Tenta livrar-se, mas eles se multiplicam. A pele alva e tenra servida como um banquete.

Pela primeira vez, percebe que não consegue vencer sozinho a batalha. Pede ajuda.

— A urina dos cavalos, em contato com determinadas plantas, faz proliferar os micuins — ensinam os companheiros. Micuins, micro insetos similares ao carrapato. Para combate-los, somente mergulhando toda a roupa e banhando-se em água quente. Os remanescentes, tira-se com álcool e manualmente.

Encontra-se em desespero, mais uma situação nova.

Não raciocina, outra situação nova.

Precisa que alguém lhe tire micuins das costas, também inédito.

Rende-se.

Na mente, apenas réstias de alho, adagas de prata e crucifixos.



terça-feira, 15 de maio de 2012

O ANJO APRENDIZ - Lição 3 - Tortas Fritas

Foto de Erich Sattelmayer


Um corpo. Denso. Palpável.

O anjo começa a se dar conta de que é preciso apoiar o peso no solo primeiro num pé, depois passa-lo para o outro, sucessivamente. Aquele sistema de lançar-se, simplesmente, pode ser catastrófico.

Os pensamentos se dispersam frente ao convite para uma nova aventura:
— Vamos até a Montanha? Lá tem pão!

Caminho íngreme, passando por pedras de todas as formas e tamanhos.
— Esta é do vulcão, diz a criança, mostrando uma que parece lava derretida petrificada.

Ele olha em volta, procurando sinais antigos. Sente cheiro de água salgada. Vê fósseis. Longa caminhada, passo a passo, elevando-se. As crianças não se cansam.

Ao fundo, Matilde, Seba, Flavita e Juan
Chegam a uma espécie de grande acampamento e gritam a senha:
— Senhor Juan, tem pão?

Uma voz forte acolhe:
— Olla! Adelante!


E, ao anjo:
—  Por Diós, te demoraste un montón! Anda, vamos hacer tortas fritas hoy. La harina esta nel container.

Misturar a farinha com um pouco de água, amassar, colocar "la sal", amassar mais. Separar em pequenas porções...

Alguns povos consideram o tempero apenas um objeto a mais. Outros, colocam gênero, atribuindo-lhe proporções humanas, divinas. Masculino, Feminino. O anjo envereda pelo caminho infinito das questões, como de costume.

A criança o chama: — Como posso esticar?

Num reflexo, o anjo explica, recordando:  — Você pega o pedaço de massa com as mãos, vai esticando de dentro para fora, com cuidado. Os dedos devem correr leves, mas firmes, pela massa. Aí faz um furo no centro, que é para fritar por igual.

Todos se acercam à cozinha improvisada, atraídos pelo cheiro familiar. As tortas fritas já prontas.

Com dulce de leche, a festa está completa.



segunda-feira, 14 de maio de 2012

O ANJO APRENDIZ - Lição 2 - Forte e Frágil

Foto de Erich Sattelmayer
                                                                                                   
Prender a tira do chinelo fortemente entre os dois dedos...
O caminho do meio, passando pela dualidade da mente, interpreta o anjo.
Estranha forma de expressar metafísica! Chinelos... 

Pensa no contraste, causando uma inédita percepção de realidade. Engraçada, até. Algo acontece em sua face e desce.

Deste lugar, o sol parece mais próximo, a acariciar a terra, observa.

Sente que respira ao puxar o ar, que falta.


Neste momento, surgem as crianças, interrompendo a meditação. 
— Vamos apanhar laranjas?

Sem esperar a resposta, já estão a caminho. O anjo segue, segurando firmemente a tira entre os dedos.


No trajeto, uma corredeira, onde mergulham de roupa, depois torcem no próprio corpo e prosseguem.

Foto de Erich Sattelmayer
Com elas, ele começa a aprender que existe a época das laranjas, dos abacates, dos cocos, das jabuticabas... No que tem casca, é só usar os dedos, ou as pedras quando muito dura. 

No maracujá, além das sementes, tem uma fina película, deliciosa de se comer, presa à casca.

Frutas que passarinho não come não são boas também para nós, ensinam.

A água para beber encontra-se indo um pouco mais a fundo, num lugar meio escondido da mata, de onde sai limpa e pura.

De repente, sente algo na parte inferior. Uma dor?! As crianças veem: - Você se cortou! O sangue jorra. Imediatamente, lavam e pressionam a ferida.

Dor, angústia no peito, alegria... Depara-se com sensações novas, surpreendentes.

O chinelo incomoda um pouco, roçando o corte, mas sua atenção se volta à profusão de cores que identifica, distribuida em miríades de imagens. Belo!

Foto de Erich Sattelmayer
Respira. Está vivo. Tem um corpo agora.
Forte.
Frágil.



quinta-feira, 10 de maio de 2012

O ANJO APRENDIZ - Lição 1 - O Caminho

Foto de Felipe Mafra
"Não sou a luz, não sou a mensagem, não sou nada ... sou o mensageiro." Win Wenders


De cima, os anjos observam os movimentos dos humanos.

Logo abaixo, veem crianças, correndo pelas escadarias da igreja. Parece divertido, mas um tanto arriscado... eles acompanham.

Elas fazem uma breve parada diante de um muro, de pedra lisa, por onde escorregam e seguem.

Uma delas se volta para trás e diz a um deles: - Vem!

O anjo hesita, surpreso por ter sido visto. Sua roupa é azul-noite, imperceptível à maioria dos olhos. Meio trôpego, acompanha. Imita.

Foto de Gil Faria
Elas continuam correndo, alcançando o precipício.

Por aí não! Intui o Alien, que já tinha ouvido falar da fragilidade dos corpos que se formam neste planeta.

A criança percebe que o anjo está descalço e diz: - Põe o chinelo! O anjo materializa o apetrecho, uma fina tira apoiada num dedo maior.

Com pezinhos ágeis, pulando sobre as pedras cheias de protuberâncias, não escorregam, como temia o anjo.
— Segure firme a tira do chinelo entre os dois dedos, ensina a criança ao anjo.

E descem, juntos, correndo, voando...


sábado, 5 de maio de 2012

MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES


Até hoje, não consegui encontrar afirmação, qualquer que seja, que não encontre base, ou seguidores. Tampouco encontrei alguma que fosse unânime.

Segundo a COSMOLOGIA ENERGÉTICA, somos seres de múltiplas possibilidades. As múltiplas possibilidades existem, já o provou a ciência, a quem interessar possa. Cada cor tem todas as cores dentro dela. Podemos, no mínimo, somar e subtrair, nos dividir e multiplicar conforme nos aprouver, dependendo do grau de comando da unidade. Ou, ainda, ser o que o mundo requisitar, ou permitir.

Este estudo, oriundo de tribos indígenas, mais precisamente os Jívaros, é, essencialmente, um conhecimento empírico resultante da vivência no planeta somada às informações cósmicas trazidas por seres extraterrestres.

A matemática e as relações com o cérebro foram sendo agregadas numa tentativa de comprovar o seu valor diante das mentes dos neo-terráqueos que, em decorrência da exposição ao próprio livre arbítrio e suas consequências, vivem repletas de conflitos e perplexidades. Talvez isso explique o fato de buscarem referências nas quais depositar sua confiança. Ainda que seja para obter um milionésimo de segundo de ilusão de imobilidade, montam estruturas onde apoiar seu corpo frágil e inseguro que, inexoravelmente, gira junto com o planeta e muda constantemente de estado e de lugar.

Com a adesão crescente de diferentes grupos de estudiosos, diante da constatação da surpreendente exatidão e profundidade deste tema, algumas modificações têm sido feitas nos formulários do Mapa, com o objetivo de torná-lo cada vez mais compreensível. Está disponível, aberto a contribuições que exprimam a ampliação do conhecimento.

Conforme já foi dito, o MAPA COSMOLÓGICO é um processo de investigação que nunca termina. À medida que avançamos no autoconhecimento, ocorrem eventos mágicos, abrindo novas portas, tais como a reprogramação, assistida ou não. E, como o Mapa tem um componente intuitivo, também pode mudar de acordo com as circunstâncias, ou quem o calcula.

Se podemos obter um mapa diferente cada vez que avançamos na pesquisa, como confiar nesses dados?

Pela experiência, que corrobora a de povos antigos cuja intuição integra a vida cotidiana, tudo está conectado e pode-se obter as informações sobre todos os envolvidos através da observação do que ocorre  ao redor. A mensagem surge, explícita, aos que se abrem para recebê-la, independentemente de técnicas   elaboradas ou esoterismos. Não é uma observação estática e sim dinâmica, que tenta acompanhar a vida em movimento. E ela vem diretamente da luz, inequívoca, através do empenho sincero. Provoca ressonância no indivíduo.

Todavia, como tendemos a construir, destruir e repor as capas protetoras em torno de nós, acompanhando os desdobramentos do jogo, consciente ou inconscientemente, o processo é contínuo e demanda sucessivas investigações.

Embora possa parecer misterioso, fictício, inverossímel até, trata-se, simplesmente, de leis naturais observadas por diferentes povos através dos milênios, que têm interpretado o mundo em que vivem, buscando um significado à sua existência.

Além do Cosmos - Mecânica Quântica - Natgeo/3 partes

Universos Paralelos 


NASCIMENTO MULTITEMPORAL
do Site Inovação Tecnológica, em 19/05/2012

Pela ionização do átomo (azul) em um campo de laser (vermelho) são produzidos elétrons (verdes), que podem nascer individualmente ou em pares, em uma escala de duração que só muito abstratamente pode ser chamada de "tempo". [Imagem: TU Wien]
Pela primeira vez, cientistas da Universidade de Tecnologia de Viena, na Áustria conseguem assistir ao "nascimento" de um elétron, um processo que era rápido demais para as tecnologias disponíveis até então.

Bem distante da realidade com a qual estamos tão acostumados, verificaram que não é possível definir o momento exato do nascimento do elétron - simplesmente porque ele não nasce em um momento apenas. Amplie aqui.




Astrofísicos flagram quatro fins do mundo

Com o esgotamento do hidrogênio da estrela, ela tornou-se uma anã vermelha, engolindo seus planetas mais próximos e provocando turbulências que podem ter levado outros a se entrechocarem. [Imagem: Mark A. Garlick/University of Warwick]
Sol Vermelho  
      Astrônomos flagraram quatro estrelas anãs brancas destruindo seus próprios planetas.
      O fenômeno pode ser um exemplo do que acontecerá com o próprio Sistema Solar.
      Conforme estrelas como o nosso Sol se aproximam do final de suas vidas, elas se tornam gigantes vermelhas, expandindo-se para muito além de suas dimensões usuais.
      Embora ainda não esteja claro se nosso futuro "Sol Vermelho" será capaz de engolir a Terra, é certo que isso acontecerá com Vênus e Mercúrio.
      Pode ser que a Terra saia "ilesa", apenas com sua superfície totalmente tostada - sem vida e sem água, certamente. Leia mais.