sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Complexidade Cósmica

Comparação entre o Sistema Solar e o sistema planetário Kepler-47, com suas duas estrelas
e seus dois planetas já descobertos. [Imagem: NASA/JPL-Caltech/T. Pyle]


Descobertos dois planetas orbitando dois sóis: Um dos planetas orbita as estrelas dentro da faixa que os astrônomos convencionaram chamar de zona habitável.


Complexidade cósmica
Astrônomos encontraram um sistema multiplanetário circumbinário.
Logo depois, novos estudos indicaram que planetas com dois sóis são comuns.
Isto deixou os teóricos estarrecidos, porque muitos achavam que o equilíbrio orbital seria complexo demais para se sustentar.
Mas o Universo parece dar conta de combinações muito mais complexas.
Há cerca de seis meses descobriu-se um planeta com três sóis, além do que, potencialmente habitável.
Agora, novamente usando o telescópio espacial Kepler, astrônomos descobriram um sistema composto de duas estrelas e de pelo menos dois planetas, no qual os dois planetas orbitam as duas estrelas.
É um sistema que bem se poderia chamar de "caótico", não fosse o fato de que ele está lá, bem estável, a menos de 5.000 anos-luz da Terra, na Constelação do Cisne.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

JANELA SOBRE O CORPO



A Igreja diz: O corpo é uma culpa.
A ciência diz: O corpo é uma máquina.
A publicidade diz: O corpo é um negócio.
O corpo diz: Eu sou uma festa.
                                                       Eduardo Galeano

Abro-me a pensar no que tem viajado comigo pelas estrelas.

Apresenta-se, de pronto, o EGO. Tomando formas voláteis, começam a dançar em minha mente suas implicações em meu trajeto, contrapondo ou encontrando essas coisas de alma e espírito.

Repentinamente, no centro do palco, surge um corpo. Solitário, mudo, impõe sua presença por tempo de persistência infinita, propondo um monólogo. Ele, como protagonista.

Mas como? - interpõe o EGO. O corpo é apenas o peão do tablado, o dedo mindinho...

Diante do cenário que se abre em seguida, rompendo a pintura morta de céu, cala-se, estupefato. Miríades de luzes vivas, móveis, pulsantes, piscam, enquanto o CORPO desfila magistralmente todos os figurinos e scripts preparados por ele, o EGO.

A massificação inicial, a construção das armaduras... Para uns, o escudo é externo. Para outros, o escudo é o próprio corpo. A saúde, a doença, a maldade, a bondade, tudo está fora. Tudo está dentro.

Ambos, EGO e CORPO, se lembram da comemoração pela conquista com louros e do exato momento do toque sutil sobre a pele, por instantes desarmada.

Sentem ainda as reações difusas e intensas do novo ser que emerge, a partir de então, rumo a um novo objetivo: a busca da sensação provocada por aquele toque. Estruturas, idéias, conceitos, julgamentos antes criados ruindo, dissipando-se como ecos ao vento.

Anseios sutis esperados revelando-se desejos concretos. Desejos realizados isentos dos prazeres sutis buscados. As histórias ficam tatuadas como pinturas, cicatrizes, bálsamos. Mostram o que fizemos, o que deixamos de fazer. O que amamos, o que deixamos de amar.

Mesmo frio, acondicionado em uma caixa, o CORPO conserva, aplica sua capacidade de transformação, interna e externa. Os anjos podem ver e ouvir, ao seu redor, os murmúrios da alma molhando, rasgando, dissolvendo velhas imagens do ego.

Quantas lições proporcionam esta eterna morada efêmera, símbolo do tempo e das mutações!

Num lapso de tempo, a respiração pára. As luzes se apagam.

O EGO se inclina, em reverência.
A alma e os anjos acompanham.





terça-feira, 21 de agosto de 2012

Cristais Espaço-Tempo

Um cristal do tempo é um sistema que continua se movimentando mesmo isolado,
sem depender de força externa, e em seu estado fundamental de energia.
[Imagem: Cortesia iStockphoto/M-X-K]

Como naquele filme do Super Homem, a memória do universo poderá ser preservada em cristais espaço-temporais, resistindo ao resfriamento natural do universo, previsto pela teoria da entropia.
O idealizador desses cristais, Frank Wilczek, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, um dos ganhadores do Prêmio Nobel de Física de 2004, admite: "A ideia está perigosamente próxima a de uma máquina de movimento perpétuo", referindo-se ao lendário "moto contínuo". 
Essas estruturas exóticas, batizadas de "cristais espaço-temporais", poderão continuar girando de forma persistente, mesmo em seu nível mais baixo de energia, permitindo quebrar tanto a simetria espacial quanto a simetria temporal. 
Mais informações no site www. inovaçãotecnologica.com.br - acesse pelo link acima.


sexta-feira, 17 de agosto de 2012

CÓDIGO PESSOAL DE ASSISTÊNCIA


A Conscienciologia sustenta que neologismos constituem desafios para o cérebro criar novas sinapses frente a temas carregados de valores condicionados ao longo dos tempos.

Penso que a palavra Assistência deveria entrar para este rol. Num primeiro movimento, em meu interior, soa como um fardo, trazendo memórias de ideais desesperadamente perseguidos, incompreensões, ilusões, soberba.

Penetra em questões metafísicas que me invadem desde sempre: O universo é perfeito? Até que ponto a interferência é válida, ou necessária? O que observo corresponde à realidade?

Cientistas, filósofos, pesquisadores, têm estudado sobre a existência de um mecanismo  interno de compensação nos organismos biológicos, uma forma  de ajuste para manter a estabilidade, a fim de equilibrar as funções quando desviadas do estado natural. Hipócrates (460-377 a.C), Claude Bernard (1813-1878), Walter Cannon (1871-1945) e outros.


Traçando um paralelo entre estudos sobre os organismos biológicos e sobre os corpos psíquico (psicossoma) e  mental (mentalssoma), cientistas contemporâneos têm verificado que estes últimos também produzem ajustes para responder a efeitos oriundos de manifestações do meio ambiente que coloquem em risco ou desafiem a integridade do ego, tais como  mecanismos de defesa, de decisão, de diagnóstico. Veja mais em Faxina no Cérebro

Pesquisadores brasileiros desenvolveram programas geradores de solução, que chamam de Árvores de Decisão, inspirados nos sistemas da natureza em um projeto premiado nos Estados Unidos no maior evento de Computação Evolutiva (técnicas bioinspiradas para solucionar problemas computacionais).

A Cosmologia Energética, cujo objeto é o corpo energético,  tenta traduzir os movimentos naturais do universo, baseada na sabedoria dos povos da antiguidade, intra e extra-terrestres.

Nos diversos campos de estudo, deparo-me com graus, modulações, limites dentro de perguntas essenciais, assim como toda a gama de cores possíveis, as que alcanço e as que sequer imagino. Às perguntas que faço, seguem-se respostas pessoais, fundamentadas na minha memória genética, psíquica, mental e energética, formando um padrão que se mostra fixo por determinada fração de tempo.

É este o meu CPPA: meu Código Pessoal de Possibilidades Assistenciais, o código para o meu equilíbrio interno. Obedece a um padrão, sendo, porém, dinâmico, tanto quanto possível para meu limitado corpo intrafísico, a fim de acompanhar as constantes mutações. Aqui, a Assistencialidade começa a despir-se dos padrões de outras consciências. Começo a ocupar o meu lugar próprio, único, neste TUDO, à medida que o transformo numa postura com relação ao espaço que ocupo. Em escala diversa, imito as lagartas, as árvores, outras formas de vida. 

Ainda é nova para mim esta abordagem. Assistencialidade era o meu trabalho remunerado, meu ganha-pão. Para isso, deveria servir a alguém, a alguma causa. Mostrar serviço. Resultado? O pão. A razão da minha existência chegou a perder-se neste círculo vicioso.

Ter uma postura assistencial, segundo me aclararam os mestres da Conscienciologia, falando na linguagem do meu coração, é gerar novos atributos lúcidos, em substituição a pensamentos, sentimentos e ações destrutivos, resíduos que não se encaixam no meu código de assistência.

É abrir-me ao amálgama do amor, que propicia a preservação da integridade do espírito, é unir-me ao fluxo assistencial do universo.


terça-feira, 14 de agosto de 2012

Maior imagem já feita do Universo agora é 3D


Ilustração do conceito usado pelos astrônomos, chamado oscilações acústicas bariônicas, que estariam impressas no Universo primordial e que ainda podem ser detectadas hoje. [Imagem: Chris Blake /Sam Moorfield/SDSIII]

Distância e tempo

Astrônomos construíram o maior mapa 3D do Universo, incluindo galáxias e buracos negros distantes.
Como os astrônomos equivalem a distância dos objetos celestes em relação à Terra - medida em anos-luz - à sua idade desde o Big Bang - medida em anos -, o mapa representaria então a história dos últimos 7 bilhões de anos do Universo, segundo o entendimento atual da cosmologia.
Em Janeiro do ano passado, a equipe do projeto SDSS (Sloan Digital Sky Survey) havia liberado a maior imagem já feita do Universo.
Agora eles divulgaram a nona versão do seu trabalho (Data Release 9), já com a primeira etapa da expansão do mapa para sua planejada forma 3D final.
O mapa 3D do Universo contém 1,5 milhão de galáxias massivas e 160.000 quasares - ou buracos negros.
O mapeamento mais geral já inclui 200 milhões de galáxias e o espectro de 1,35 milhão de galáxias - o espectro mostra toda a luz que a galáxia emite em diversos comprimentos de onda.
Mistério escuro
Rastreando a história rumo ao passado, os astrônomos esperam obter melhores estimativas do percentual da matéria escura e energia escura que compõem o Universo.
Matéria escura é uma matéria que não conseguimos detectar, mas cujos efeitos gravitacionais podem ser medidos. E energia escura é uma força hipotética que acelera a expansão do Universo.
"A matéria escura e a energia escura são dois dos maiores mistérios do nosso tempo," disse David Schlegel, membro da equipe SDSS. "Nós esperamos que nosso novo mapa do Universo possa ajudar alguém a resolver o mistério."
Hoje estima-se que ambas formem 96% de tudo o que existe no Universo. A nossa matéria tradicional - das estrelas, planetas, pessoas e etc. - compõem os 4% restantes, mas os astrônomos só conseguiram mapear até agora cerca de metade dessa chamada matéria bariônica.
"É importante destacar que estamos participando ativamente de um projeto que será fundamental para toda a astronomia que virá depois dele," disse Luiz Nicolaci da Costa, coordenador da participação brasileira no projeto.

sábado, 11 de agosto de 2012

INTRODUÇÃO AO JOGO DE PEDRAS


Síntese de palestra realizada por MESTRE JUAN 
Veja mais sob o marcador JOGO DE PEDRAS

Impossível precisar desde quando o homem atribui a determinada pedra um significado por ele escolhido passando a utiliza-la a partir daquele conceito visando um fim específico.

Em nossas pesquisas por diversas culturas pudemos verificar, por exemplo, que povos africanos penduravam, na porta de suas habitações, pedras atribuindo-lhes conceitos como arroz e outros cereais com a intenção de que o alimento fosse abundante.

Sabemos que as pedras têm a propriedade de registrar um conhecimento, expressar um tipo de energia característica. Analisando-se uma pedra presente em uma pirâmide, podemos descobrir a idade em que a construção foi erigida, uma vez que ela está carregada com as informações ali gravadas automaticamente pela sua simples presença naquele espaço específico por um tempo determinado.

De forma similar, podemos carregar as pedras com determinado conceito por uma relação eletromagnética com nosso cérebro.

                                  Em que consiste o Jogo de Pedras

 O Jogo de Pedras é um objeto de auto-terapia, podendo ter a função de um oráculo e também ser trabalhado como um objeto mágico, consistindo em 64 pedras que representam os 64 conceitos mais importantes dentro dos quais se situa a vida do possuidor do jogo.

Por que 64?

Xamãs de diversas tribos ao redor do mundo utilizam seu jogo de pedras em número de 64 e hoje já existem confirmações de que temos no cérebro 64 centros neurológicos, 32 do lado direito e 32 do lado esquerdo, funcionando como pastas de um computador.

64 também são os campos do xadrez, as mutações do I ching, os elementos da tabela química, as divisões de uma coluna principal do DNA.

Ao atribuirmos a cada pedra um conceito, estamos identificando nossas aspirações, os assuntos aos quais damos importância, o que de fato existe para nós, o que queremos alcançar e o que necessitamos deletar.




  As Pedras, Os Conceitos, 
A Intenção

- O que  precisamos para viver?
- O que, mesmo não precisando para viver, faz parte essencial das nossas vidas?
- O que teremos que excluir por não mais nos servir?
- Quais os nossos sonhos, o que queremos alcançar?
Fazendo-nos essas perguntas, principiamos a organizar nosso cérebro e nossos conceitos, que mantemos confusos, misturados. Embora saibamos que raciocínio e ação devam caminhar juntos, não é isso o que ocorre em nossas vidas.

A partir da decodificação dos conceitos a partir dos quais se desenvolve a nossa vida através da organização das 64 pedras-conceitos, passamos a imprimir os objetivos que determinamos e que absolutamente vamos conseguir. Ficam claros os compromissos que assumimos, vemos os objetivos. Tocamos as pedras e, por conseguinte, tocamos o cérebro.

Os índios ensinam que, na primeira parte da vida, somos como se fossemos “roupa lavada”: nos usam, nos molham, nos batem na pedra, torcem, penduram e nos sujam novamente… Na segunda parte, dizem eles, somos nós os que lavamos as roupas. Os mestres Sufis, igualmente, ensinam que a primeira parte da vida é um caleidoscópio e a segunda um microscópio.

Através do Jogo de Pedras, podemos manipular a nós mesmos, manipular nossas dependências. Temos a obrigação de conseguir, de conquistar isso.

As 64 pedras podem consubstanciar-se em pedras “de jardim”, aquelas pedras brancas que tão bem conhecemos. Posteriormente, havendo necessidade, vontade e a nosso critério, podemos substitui-las por pedras de quartzo, cristais, preciosas ou semi-preciosas, pedras de montanha, de rios, de cores variadas e assim por diante.

Os conceitos também podem ser substituidos em conformidade com os propósitos que determinamos para direcionar a nossa vida. O Jogo de Pedras representa o cérebro agora.

Este, é revolucionário porque o cérebro é revolucionário. Somos corpos vivos e não estagnados. Acompanhando as mutações, o homem pode mudar seus conceitos decodificando suas necessidades naquele momento de sua vida, de sua evolução, da causa a que está servindo, sempre sintonizando com seus objetivos, com seus sonhos.

Mais informações e contato para jogos e cursos na Página: 
JOGO DE PEDRAS


sexta-feira, 3 de agosto de 2012

SONHOS LÚCIDOS CONSCIENTES



As diferenças cerebrais entre os sonhadores comuns e os sonhadores lúcidos são bem marcantes, mas duram poucos segundos.

Sonhos conscientes


A busca pela sede da consciência no cérebro tem iludido cientistas há décadas.

O que se percebe é que, durante a vigília, estamos sempre conscientes de nós mesmos.
Durante o sono, ao contrário, não temos essa autopercepção.
Mas há um grupo de indivíduos, conhecidos como sonhadores lúcidos, que conseguem perceber que estão sonhando, e inclusive interferir nesses sonhos.
Agora, os cientistas usaram imagens de ressonância magnética para descobrir o que acontece no cérebro dessas pessoas, em comparação com as demais, que sonham apenas o que seu inconsciente parece querer.

Leia mais em Visão 3x4