quinta-feira, 15 de novembro de 2012

OS VÁCUOS - PARTE I



As 12 cores, seus repectivos números e sua localização nos vácuos 
Nesta primeira parte, passo os princípios básicos, tais como localização e significado de cada vácuo, dados que irão contribuir para a interpretação do Mapa Cosmológico.

No Mapa Cosmológico, as doze energias são representadas nos vácuos por cores e a cada uma é atribuido um número,ficando as mesmas posicionadas na ordem do relógio convencional, que marca as horas, conforme desenho acima.


Para interpretar os significados dos vácuos, que representam o registro armazenado existente anteriormente à massificação das energias neste plano,  numera-se respeitando a ordem como se situam as energias, primeiro as do Driver I, depois Driver II, III e IV (observe que não coincide com o número correspondente à cor): 





 - Vácuo Vermelho -  é o palco do ato que iniciou a gestação; guarda o motivo principal pelo qual tomou a forma física e pelo qual se dispõe a agir e lutar para sobreviver. Este vácuo é a base pré-natal de sua auto-afirmação. Aí estão armazenadas as informações de ações anteriores, vibrações das circunstâncias em que foi concebido.

 - Vácuo Azul - representa a mãe e o ventre materno, a vacuidade onde tudo está contido, o conhecimento de todas as eras, aquilo que busca saber durante a sua existência.


- Vácuo Marrom - representa o pai, o limite físico, a estrutura da qual é formado. Seu senso de responsabilidade e sua realização vocacional são determinados pelas bases e expectativas geradas neste vácuo.


4º - Vácuo Amarelo - nesta fase da gestação, começa a distinguir-se o cérebro, que capta as mensagens da mente abstrata  manifestadas em pensamentos, idéias. Encontra-se aqui o princípio básico da compreensão do ser.

- Vácuo Prata - armazenam-se neste vácuo as estratégias de comunicação, concentração, reflexão, criatividade, bem como a possibilidade de romper barreiras para a auto-expressão.


6º - Vácuo Dourado - é o responsável pelo desenvolvimento da mente intuitiva, através da qual ocorre o reconhecimento de si mesmo. Está aqui a base da auto-imagem, inicialmente formada pelas percepções alheias que passam a ser pessoais e expectativas colecionadas através das vivências.


- Vácuo Violeta - este vácuo marca a entrada das energias que irão revelar os sentimentos mais profundos, porta para o desenvolvimento da consciência. Contém lembranças de experiências relativas a sofrimento, alegrias, que determinam as reações emotivas.


- Vácuo Preto - contém as informações sobre o princípio básico da sobrevivência, a busca dos bens materiais, a organização, a forma de enfrentar a arte de viver. Encontram-se aqui os desejos, as necessidades físicas.


- Vácuo Branco - este é o arquivo do arquivo, onde encontram-se registrados os conceitos de ordem, limpeza, pureza, família, devoção, bem como as travas que impedem o encontro com a verdadeira natureza de sua existência.

10º - Vácuo Rosa -  marca a entrada das energias que guiam a unidade e determinam seus objetivos maiores, aos quais é instintivamente dirigida pela busca ao prazer e à felicidade.


11º - Vácuo Verde - encontra-se aqui o princípio básico da nutrição física, mental e espiritual que o ser inconscientemente busca. Ilusões, fantasias, também estão aqui registradas, levando à busca da expansão máxima dos recursos. 


12º - Vácuo Celeste - aqui retorna-se ao princípio da vacuidade sob a forma egóica. Este vácuo representa o campo obscuro e infinito do inconsciente, onde se encontra o poder criativo e criador do ser.


Foi Carl Gustav Jung quem batizou de Inconsciente Coletivo o arcabouço das memórias da humanidade, entretanto, este conhecimento provem de fontes de antigos povos do Oriente, onde é natural perceber sua influência na vida dos humanos.