quinta-feira, 13 de setembro de 2012

O ANJO APRENDIZ - Lição 8 - Maestria


Percebe que traz agora, em sua bagagem, quantidade razoável de conhecimentos, adquiridos em sua vivência no Planeta Terra.

Observa ao redor o sofrimento das pessoas, cativas em sua ignorância. Diante da porta que leva à liberdade, não encontram a chave. Algumas a esqueceram em algum lugar distante, outras sequer imaginavam encontrar uma porta em seu caminho. Estancam, atônitas.

Em sua mente soa ainda a instrução dos seres mais altos: aprenda com eles, antes de tentar ensinar. Mas algo dentro dele o impulsiona a rever a frase. Há um limite tênue entre o egoismo e o respeito pelo processo de cada um. Como pode guardar tantos segredos dentro de si, sabendo que podem ser úteis? - questiona-se.

Faz tanto tempo que ouviu aquela frase! Talvez fosse circunstancial, adequada a um anjo enfrentando suas primeiras lições. Querer impor o que acreditava ser verdade, ou achar que poderia solucionar todos os problemas, seria uma atitude arrogante e ineficaz. Aprendera com a prática, pois não seguira fielmente os conselhos. Provara os dissabores de arcar com a continuidade e finalização de projetos iniciados sem a completa adesão dos interessados.

Atuara com o altruísmo egoísta. Precisava provar que conseguiria.

Contemplando a extensão do vale que se impõe aos seus sentidos, ouve ao longe as vozes das pessoas em suas casas. Sente-se invadido por um sentimento terno por aquela gente. Agora conhece as ações básicas que valorizam e pelas quais vivem. Compreende-as. Embora sem coloca-las como objetivo de vida, experienciou-as fisicamente. Intensamente.

Sua visão sob ângulo diverso é a dádiva que traz e pode compartilhar, conclui. Uma fagulha gerada na mente atinge as  extremidades de seu corpo e retorna, aumentada, atravessando em linha reta até a cabeça.


Transborda. Espalha-se. Expande-se.