segunda-feira, 14 de maio de 2012

O ANJO APRENDIZ - Lição 2 - Forte e Frágil

Foto de Erich Sattelmayer
                                                                                                   
Prender a tira do chinelo fortemente entre os dois dedos...
O caminho do meio, passando pela dualidade da mente, interpreta o anjo.
Estranha forma de expressar metafísica! Chinelos... 

Pensa no contraste, causando uma inédita percepção de realidade. Engraçada, até. Algo acontece em sua face e desce.

Deste lugar, o sol parece mais próximo, a acariciar a terra, observa.

Sente que respira ao puxar o ar, que falta.


Neste momento, surgem as crianças, interrompendo a meditação. 
— Vamos apanhar laranjas?

Sem esperar a resposta, já estão a caminho. O anjo segue, segurando firmemente a tira entre os dedos.


No trajeto, uma corredeira, onde mergulham de roupa, depois torcem no próprio corpo e prosseguem.

Foto de Erich Sattelmayer
Com elas, ele começa a aprender que existe a época das laranjas, dos abacates, dos cocos, das jabuticabas... No que tem casca, é só usar os dedos, ou as pedras quando muito dura. 

No maracujá, além das sementes, tem uma fina película, deliciosa de se comer, presa à casca.

Frutas que passarinho não come não são boas também para nós, ensinam.

A água para beber encontra-se indo um pouco mais a fundo, num lugar meio escondido da mata, de onde sai limpa e pura.

De repente, sente algo na parte inferior. Uma dor?! As crianças veem: - Você se cortou! O sangue jorra. Imediatamente, lavam e pressionam a ferida.

Dor, angústia no peito, alegria... Depara-se com sensações novas, surpreendentes.

O chinelo incomoda um pouco, roçando o corte, mas sua atenção se volta à profusão de cores que identifica, distribuida em miríades de imagens. Belo!

Foto de Erich Sattelmayer
Respira. Está vivo. Tem um corpo agora.
Forte.
Frágil.